Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2013

A Lei de Deus na Natureza; Nossa Incapacidade; e Cristo

A Necessidade de uma Saída Estamos encerrados em um universo que não nos pertence, e, de certa forma, ao qual nós não pertencemos – um universo diferente daquele para o qual fomos criados. Fomos como que lançados aqui, sem placas de saída, nem compreensão do labirinto que se nos propõe a existência, entretanto com o desejo pela saída e uma imensa saudade de onde nunca estivemos. Contudo, não fomos abandonados, nem deixados sem recurso com o qual poderíamos responder estas questões – no interior de nossa alma jaz a Lei de Deus. E que Lei é essa? É um padrão de comportamento que, sem exceção, todo homem exige que os outros homens conheçam e que todo homem sabe quando transgride. Diga-me então, como você se sente quando mentem para você? Todo homem trapaceado se indigna, em maior ou menor grau, com o ocorrido. E se alguém te rouba um objeto querido? Agora, e quando você mente, ou rouba, e é apanhado? “Você não deveria ter feito isto”, “Mas, você prometeu que viria...”, “Você me

A Verdadeira Resposta Cristã para o Aborto

Existem muitos que estão perplexos diante da defesa do aborto na esfera política. A Sra. candidata que usurpa o nome de “mãe do Brasil” (e me parece que, dados os nossos hábitos de pensamento e ação, somos um povo sem mãe mesmo), que contradição!, é o carro-chefe da frente de batalha de um partido que em mais de uma ocasião defendeu o direito à prática do aborto. E agora vemos também “bispos” de falsas igrejas se pronunciando a favor do aborto, como se isso “batizasse” ou purificasse a plataforma política esquerdosa que defende a prática. Como se isso fosse um “imprimatur” episcopal sobre o voto do pseudocristão que escuta a esses canalhas. Pois os cristãos que verdadeiramente repudiam e execram a defesa do aborto que tem sido veiculada no meio político têm toda a razão de repudiar e de execrar tal prática. Contudo, devem também vigiar para que não caiam no defeito grave da hipocrisia. É muito bom olhar para o cisco no olho alheio e ignorar a trave que cega o nosso próprio olh

Nossa Meditação na Ira de Deus

A nossa prontidão ou a nossa relutância em meditar na ira de Deus é um teste seguro de até que ponto os nossos corações reagem à Sua influência. Se não nos regozijamos verdadeiramente em Deus, pelo que Ele é em Si mesmo, e por todas as perfeições que nEle há eternamente, como poderá permanecer em nós o amor de Deus? Cada um de nós precisa vigiar o mais possível em oração contra o perigo de criar em nossa mente uma imagem de Deus segundo o modelo das nossas inclinações pecaminosas. Desde há muito o Senhor lamentou:  "...pensavas que (eu) era como tu"  (Sl 50:21). Se não nos alegramos  "...em memória da sua santidade"  (Sl 97:12), se não nos alegramos por saber que num dia que logo vem, Deus fará uma demonstração  sumamente  gloriosa da Sua ira, tomando vingança em todos os que agora se opõem a Ele, é prova positiva de que os nossos corações não estão sujeitos a Ele, que ainda permanecemos em nossos pecados, rumo às chamas eternas.  "Jubilai, ó nações (

A Igreja de Deus é um Jardim - por Charles Spurgeon

A Igreja de Deus é um jardim , assim chamada no livro de Cantares de Salomão; portanto, sei que não estamos errados em usar esta ilustração. Mas o que representa um jardim? Em primeiro lugar, ele implica separação. Um jardim não é uma terra não cultivada, um matagal, uma terra pública, nem tão pouco um deserto. Ele é cercado ao redor; está encerrado ali. Ah, cristãos! quando vocês se unem a Igreja, lembrem-se, também, que se tornam, por profissão, guardados nela, para o Rei Jesus. Eu desejo, sinceramente, ver a parede de separação entre a Igreja e o mundo tornar-se mais ampla e forte. Creiam-me, nada me entristece mais do que quando ouço membros da Igreja dizendo: "Bem, não há nenhum mal nisto; não há mal naquilo", e vão se aproximando do mundo tanto quanto possível. Não importa o que você pense disto, mas estou certo que você está decaindo da graça até mesmo quando você levanta a questão de quão longe você pode ir na conformidade mundana. Devemos evita

(parte 7 - final) Os 7 Hábitos de um Namoro Altamente Defeituoso

parte 1 ;  parte 2 ;  parte 3 ;  parte 4 ;  parte 5 ;  parte 6 ;  parte 7 (final) 7. O namoro cria um ambiente artificial para avaliar o caráter de outra pessoa. Apesar de muitos relacionamentos não serem direcionados para o casamento, alguns - especialmente entre estudantes de faculdade mais velhos - têm o casamento como sua motiva­ção. As pessoas que querem sinceramente descobrir se deter­minada pessoa é uma boa opção para o casamento precisam entender que o namoro típico, na verdade, atrapalha este pro­cesso. O namoro cria um envolvimento artificial para duas pessoas interagirem. Consequentemente, cada pessoa pode facil­mente apresentar uma imagem igualmente artificial. Na entrada da garagem de casa temos uma cesta de bas­quete que permite o ajuste em diferentes alturas. Quando regu­lo a cesta quase um metro abaixo do padrão, eu pareço ser um excelente jogador de basquete. Enterrar não é nenhum proble­ma. Eu deslizo pelo chão e faço a cesta todas as vezes. Mas a min

(parte 6) Os 7 Hábitos de um Namoro Altamente Defeituoso

parte 1 ;  parte 2 ;  parte 3 ;  parte 4 ;  parte 5 ;  parte 6 ;  parte 7 (final) 6. O namoro pode causar desgosto com o dom de permanecer solteiro dado por Deus No aniversário de três anos do meu irmão, ele ganhou uma linda bicicleta azul. A miniatura de bicicleta era novíssima, completa com rodinhas auxiliares, equipamentos de proteção e adesivos. Pensei que ele não poderia desejar uma bicicleta melhor, e mal podia esperar para ver a sua reação. Mas para o meu desgosto, meu irmão não parecia im­pressionado com o presente. Quando meu pai tirou a bicicleta da caixa de papelão, meu irmão a observou por um momento, sorriu, e então começou a brincar com a caixa. Demorou al­guns dias para que eu e a minha família o convencesse de que a bicicleta era o presente de verdade. Não consigo evitar de achar que Deus vê a nossa paixão por relacionamentos de curta duração da mesma forma que eu enxergava o amor do meu irmão por uma caixa que não valia nada. Uma sucessão de namor

(parte 5) Os 7 Hábitos de um Namoro Altamente Defeituoso

parte 1 ;  parte 2 ;  parte 3 ;  parte 4 ;  parte 5 ;  parte 6 ;  parte 7 (final) 5. O namoro, em muitos casos, tira a atenção dos jovens adultos de sua principal responsabilidade, que é de preparar-se para o futuro.  Nós não podemos viver no futuro, mas negligenciar nossas obrigações atuais nos desqualificará para as responsabilidades de amanhã. Estar distraído por causa do amor não é tão mal assim -a não ser que Deus deseja que você faça algo diferente.  Uma das tendências mais tristes do namoro é desviar os jovens adultos do desenvolvimento dos seus talentos e habilidades dadas por Deus. Ao invés de equiparem-se com o caráter, formação acadêmica e experiência necessária para obter o sucesso na vida, muitos permitem serem consumidos pelas necessidades atuais que o namoro enfatiza.  Namorar pode lhe dar a oportunidade de colocar em prática ser um bom namorado ou uma boa namorada, mas será que são habilidades que valem a pena? Mesmo que você esteja saindo com a pes

(parte 4) Os 7 Hábitos de um Namoro Altamente Defeituoso

parte 1 ;  parte 2 ;  parte 3 ;  parte 4 ;  parte 5 ;  parte 6 ;  parte 7 (final) 4. O  namoro  geralmente  isola  o  casal  de outros relacionamentos vitais. Enquanto Garry e Jenny estavam namorando, eles não precisavam de mais ninguém. Como era para ficar com a Jenny, Garry não teve problemas em deixar de freqüentar o Estudo Bíblico de quarta à noite com a turma. Jenny nem pen­sou duas vezes sobre o fato de que mal falava com a irmã mais nova ou com a mãe agora que estava namorando o Garry. Também não se deu conta de que ao falar com eles sempre começava as suas frase com “Garry fez isso...” e “Garry disse isso e aquilo...” Sem querer, ambos tinham, egoisticamente e de forma tola, se privado de outros relacionamentos. Pela própria definição, o namoro é basicamente duas pes­soas com o foco uma na outra. Infelizmente, na maioria dos casos o resto do mundo vira um pano de fundo esmaecido. Se você já fez o papel de “vela” ao sair com um casal de amigos que estão namoran

(parte 3) Os 7 Hábitos de um Namoro Altamente Defeituoso

parte 1 ;  parte 2 ;  parte 3 ;  parte 4 ;  parte 5 ;  parte 6 ;  parte 7 (final) 3. O namoro geralmente confunde relacionamento físico com amor. Dave e Heidi não tinham planejado se envolverem fisi­camente na primeira vez que saíram juntos. De verdade. Dave não fica “só pensando nisso” e a Heidi não é “aquele tipo de garota”. Aconteceu. Eles foram a um show juntos e depois as­sistiram a um filme de vídeo na casa da Heidi. Durante o filme, Heidi fez uma gozação a respeito da tentativa dele de dançar durante o show. Ele começou a fazer cócegas nela. A luta de brincadeirinha de repente parou quando eles se viram encaran­do um ao outro nos olhos, com Dave inclinado sobre ela no chão da sala de estar. Eles se beijaram. Parecia algo de cinema. Parecia tão correto! Pode ter parecido certo, mas a introdução precoce de uma afeição física no relacionamento acrescentou confusão. Dave e Heidi não se conheciam de verdade, mas de repente se sentiam próximos. À medida que o relacio