Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2016

Vá para casa e ame sua esposa!

5 coisas que eu gostaria de saber antes de me casar

Os primeiros seis meses do meu casamento foram alguns dos meses da minha vida em que mais abri meus olhos. Até aquele momento eu pensava que ser uma esposa e uma auxiliadora era uma coisa fácil. Eu me sentia totalmente preparada para o meu papel como esposa. Grande ilusão. Depois de seis meses de casamento eu percebi o quão totalmente despreparada eu estava em determinadas áreas. Para ser honesta, havia cinco coisas que eu gostaria de ter sabido antes de me casar. Se você é uma garota solteira e está esperando se casar algum dia, este conselho é para você. 1. Seu relacionamento com Deus é a CHAVE para ser uma esposa feliz. Eu tinha uma relação boa com Deus enquanto garota solteira. Eu tentei ler a Bíblia e orar diariamente, mas eu não era muito consistente. Alguém se identifica? Como resultado, os meus primeiros meses de casamento foram os mais emocionais para mim. Naquela época, eu estava olhando para o meu novo marido como minha segurança e preenchimento em v

Seu amigo tem uma esposa? Veja a nudez dela! Ou não!

Suponha que uma noite um vizinho bata na porta de um cristão e diga:  -"Gostaríamos de fazer um convite a vocês esta noite..." -" Oh, muito obrigado!", ele responde, sem suspeitar do que se trata. -" Calma, calma, deixe-me terminar de dizer. Gostaríamos de convidar vocês para entrar em nosso quarto e nos assistir enquanto fazemos sexo. Isso pode ser algo realmente excitante para todos nós". O cristão recusa horrorizado: -"Não podemos! Você sabe, somos cristãos". -"Ah, claro", responde balançando a cabeça. "Isso poderia ser um pouco demais pra vocês. Então, vamos fazer o seguinte: Nós temos uma câmera de vídeo. Por que não gravamos tudo, e eu trago aqui pela manhã? Então vocês podem assistir quando quiserem". O cristão explica que isso também não seria possível. -"Não estou entendendo", diz o vizinho, com um olhar perturbado. "Semana passada vocês nos convidaram para a casa de

O que diabos aconteceu com a GERAÇÃO Y?!

Veja como o nosso ambiente de trabalho é divertido. Te pagaremos mal e não respeitaremos a sua hora de almoço. Hora-extra? Nem pensar! Whatsapp depois do trabalho? Com certeza, afinal de contas, você ainda não tem filhos! Ah, mas te daremos kit kat e café expresso de graça! Um texto sobre liberdade, responsabilidades e as misérias de uma geração que está se perdendo no meio do caminho. Na semana passada eu ouvi de um garoto, ainda na faculdade, o seguinte depoimento: “Seu texto sobre a subserviência das empresas em relação ao cliente deveria ser pregado na porta de entrada de todas as empresas do país, nas salas de reuniões e ser repetido como mantra em palestras de empreendedorismo para todos os empresários do Brasil. As agências de publicidade, especificamente, estão atingindo um nível de servidão pior do que pastelaria. Na pastelaria ninguém fica acelerando o pasteleiro. Ninguém manda e-mail para o pasteleiro mandando ele entregar o pastel na mesa dele até as 9h d

Mulheres - Deus não quer sua virgindade!

Você é virgem? Considera a virgindade um “tesouro precioso” e está comprometida em guarda-lo a sete chaves até o casamento? É do tipo que não dá ouvidos às pressões das amigas descoladas e, não importa o quanto te rotulem, está decidida a manter o padrão bíblico de pureza sexual? Se sua resposta foi afirmativa para qualquer destas perguntas, deve estar tão assustada quanto eu mesma fiquei ao ler a afirmação que dá o título a este artigo. Fui surpreendida com essa chamada na linha do tempo de uma amiga meses atrás. Pronto, confessei!… o título não é fruto de minha originalidade nem do lado polêmico que pulsa dentro de mim. Tomei-o emprestado – razão de estar entre aspas. Quando li este título, conhecendo bem o perfil da autora original e sabendo de suas lutas que como conselheira cristã de jovens e adolescentes, já imaginei o que ela tinha em mente. Resumidamente, minha amiga escreveu sobre sua indignação diante dos discursos sobre virgindade que não são acompanhados por uma vi

O chamado de Jeremias e nossa incapacidade

" Assim veio a mim a palavra do Senhor , dizendo: Antes que eu te formasse no ventre, eu te conheci; e, antes que saísses da madre, te santifiquei e às nações te dei por profeta. Então, disse eu: Ah! Senhor Jeová ! Eis que não sei falar; porque sou uma criança. Mas o Senhor me disse: Não digas: Eu sou uma criança; porque, aonde quer que eu te enviar, irás; e tudo quanto te mandar dirás. Não temas diante deles, porque eu sou contigo para te livrar, diz o Senhor . E estendeu o Senhor a mão, tocou-me na boca e disse-me o Senhor : Eis que ponho as minhas palavras na tua boca. Olha, ponho-te neste dia sobre as nações e sobre os reinos, para arrancares, e para derribares, e para destruíres, e para arruinares; e também para edificares e para plantares. " Jeremias 1:4-10 O chamado de Jeremias ao ministério profético é um dos mais famosos textos do antigo testamento. No relato, vemos Deus convocando um jovem que reluta, tenta se esconder atrás de suas limitações e, por fim, c

Filhofobia - o novo medo do mundo!

“Você sabe o que causa isso?” “Nossa, vocês têm um bocado.” “Fecharam a fábrica, né?” “Vocês vão encher o planeta” “São todos seus?” “Você consegue bancar todos eles?” Estas são apenas algumas das perguntas que você ouvirá de completos estranhos se você tiver mais filhos que a média nacional aprovada de 1,7. E isso não inclui aqueles olhares maldosos e risinhos na sua direção. Vocês já devem ter ouvido falar da postura corporal de homens que se sentam com as pernas abertas no transporte público ou gordofobia, considerados os últimos ultrajes na nossa cultura politicamente correta. Bem, hoje eu gostaria de adicionar um novo item a essa lista: filhofobia. Parece espantoso que uma pessoa realmente queira ter mais de 2 filhos. Pressupõe-se que o terceiro certamente foi um acidente. Digo, é fato que filhos te deixam pobres, certo? Eles custam muito dinheiro, não custam? Além disso, eles são uma ameaça ao meio ambiente!! Basicamente, na mentalidade popular, filhos são o equivale

Um amigo de Jó veio me visitar

Quando estive internado por causa das recentes cirurgias pelas quais passei, recebi diversas visitas. Amigos, parentes, irmãos na fé, pastores — gente de perto e de longe — todos querendo me ver e deixar comigo alguma palavra de encorajamento e apoio. Como foi bom receber essas visitas! Às vezes eu estava me sentindo mal e não conseguia expressar todo o meu apreço por aquelas pessoas tão queridas. Elas, no entanto, entendiam a minha situação, mostravam-se indulgentes comigo, oravam por mim, teciam algumas frases de ânimo e fé e, então, iam embora, às vezes tentando conter o choro. Eu louvo a Deus por todas aquelas pessoas e pelo modo como ministraram a graça de Deus em minha vida. Houve, porém, um visitante que se destacou por outro motivo. Imitando até certo ponto os amigos de Jó, ele foi me visitar com o objetivo muito claro de passar “lições de moral”; foi me ver com o alvo especial de fazer acusações veladas e sutis, dando a entender que Deus tinha me colocado naquela situa

Educar pressupõe desagradar a criança

Especialista em questões relacionadas à família e à escola, a psicóloga paulistana Rosely Sayão acredita que as crianças estão sendo educadas sob o peso da superproteção, o que as desconecta da realidade. O excesso de zelo também dificulta o desenvolvimento da resiliência, a capacidade de resistir às adversidades e empurra para mais tarde a conquista da maturidade. Para Rosely, falta aos pais, preocupados em demasia com um futuro de sucesso para os filhos, um olhar focado no presente. — A gente perde de vista o filho como ele é hoje. Quem é o meu filho? Do que ele gosta? Do que ele não gosta? Quais são os talentos dele? Quais são as impossibilidades? Algumas delas a gente pode superar? — pergunta-se a psicóloga, colunista da Folha de S.Paulo e da Band News FM. Confira os principais trechos da entrevista. Você aponta a superproteção dos filhos como um estilo dos pais hoje em dia, independentemente de classe social, econômica e cultural. Onde isso fica mais evidente?