Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2012

A Completa e Suficiente Revelação de Sua Vontade

A pior coisa que os homens podem fazer é tirar-nos esta vida, a qual não podemos manter por muito tempo, mesmo que o mundo todo nos incite a pouparmos a nossa própria vida. Se nos recusarmos a oferecê-la a Deus quando Ele a requer em defesa da Sua honra, Ele pode tomá-la de nós de outra forma; como no caso da pessoa que não se dispôs a ser queimada por Cristo, mas depois foi queimada num incêndio acidental em sua casa. As Escrituras dizem que a bondade e a severidade de Deus estão em harmonia, não se contradizem. A Sua severidade com Uzá é proporcional a violação de Uzá daquele padrão da bondade de Deus. Deus não pode pisar na Sua própria santidade. E Ele não permite que outros façam isso sem punição. Em última instância isso é o que a verdadeira justiça quer dizer: É perfeita a exigência de Deus de absolutamente aplicar tudo que é santo por meio de sua reta e justa punição sobre tudo que se opõe a Sua soberania e justiça... A morte de Uzá também nos relembra que somos chamados a es

A Vida Cristã Deve ser Ativa - “Na diligência, não sejais remissos” – (Rm 12.11)

Paulo diz: “Na diligência, não sejais remissos” – (Rm 12.11) – Este preceito nos é comunicado não só porque a vida cristã deve ser ativa, mas também porque é próprio que às vezes desconsideremos nossas próprias vantagens e dediquemos nossos labores em prol de nossos irmãos; e nem sempre em prol daqueles que são bons, mas também em prol daqueles que se nos revelam ingratos e indignos. Em resumo, visto que devemos esquecer de nós mesmos na execução de muitos de nossos deveres, jamais estaremos adequadamente preparados para a obediência a Cristo, a menos que instemos conosco mesmos, esforçando-nos diligentemente por desprender-nos de toda a nossa indolência. Ao acrescentar “fervoroso de espírito”, ele nos mostra como devemos firmar-nos ao preceito anterior. Nossa carne, à semelhança dos asnos, é perenemente indolente, e por isso carecemos de ser esporeados. Não há outro corretivo mais eficaz para nossa indolência do que o fervor do espírito. Portanto, a diligência em fazer o bem requer

Efésios 1.13 - Também Somos Glória do Senhor (parte 1) - Andando Como Ele - Exposição em Efésios - Sermão pregado dia 27.05.201

Efésios 1.13 -  Também Somos Glória do Senhor (parte 1) - Andando Como Ele - Exposição em Efésios -  Sermão pregado dia 27.05.201 " Em quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação; e, tendo nele também crido , fostes selados com o Espírito Santo da promessa " (Ef 1.13 - grifo meu). Visto que anteriormente o apóstolo proclamou à igreja de Éfeso sobre a importância que os judeus tinham para a vida e proclamação do reino de Deus, de modo que eles eram a glória primeira do Senhor, agora passa a lhes expor a bendita e grata felicidade de que, não obstante todo o tempo de escuridão e trevas de pecado e ignorância que viveram durante tanto tempo, aprouve ao Eterno lhes salvar e também incluí-los no pacto da graça e misericórdia divina. Paulo lhes acentua sobre a importância de reconhecerem que, embora os judeus sejam a glória do Senhor, eles também for enxertados na oliveira brava. O apóstolo Pedro também asseverou essa questã

Série: Homem e Mulher os criou - parte 10 - Homem e Mulher no Jardim - A Queda (O Pecado do Homem) - Sermão pregado dia 27.05.2012

Série: Homem e Mulher os criou -  parte 10 -  Homem e Mulher no Jardim - A Queda (O Pecado do Homem) Sermão pregado dia 27.05.2012 Como temos notado, é imprescindível que levemos sempre cativo as áureas palavras de Paulo: " Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça; Para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra " (2Tm 3.16-17). Tal declaração divina insta-nos constantemente de que a toda a Escritura, isto é, a Bíblia Sagrada, é útil e proveitosa para nosso conhecimento, mas não somente isso, que somente nela se encontra o verdadeiro ensino para a piedade e compreensão de toda a vida - desde o homem e a mulher, até o governo civil e a modéstia no vestir-se. Como observamos anteriormente, à luz da beleza criadora do Senhor - antes da queda - tudo era maravilhoso, formoso e agradável aos homens e à toda criação do Senhor. Cada espaço do Éden, cada par

As promessas de Deus cooperam para o bem do homem piedoso.

As promessas são anotações nas mãos de Deus; não é bom termos segurança? As promessas são o leite do evangelho; e não é o leite para o bem da criança? Elas são chamadas “preciosas promessas” (2Pe 1.4). Elas são tônicos para a alma que esta a ponto de desmaiar. As promessas são cheias de virtude. Estamos nós sob a culpa do pecado? Há uma promessa, “o Senhor [é] compassivo e grande em misericórdia” (Êx 34.6), na qual Deus, por assim dizer, põe Seu glorioso bordado e estende Seu cetro de ouro para encorajar pecadores pobres e hesitantes a se achegarem a Ele. “O Senhor, misericordioso.” Deus está mais disposto a perdoar do que a punir. A misericórdia abunda em Deus mais do que o pecado em nós. Misericórdia é a Sua natureza. A abelha naturalmente produz mel; ela ferroa apenas quando é provocada. “Mas”, diz o culpado pecador, “eu não mereço misericórdia”. Ainda assim, Ele é gracioso: Ele demonstra misericórdia, não porque nós merecemos misericórdia, mas porque Ele se deleita na misericórdi

Robert Murray M'Cheyne (1813-1843) - Eu amo o Dia do Senhor

PORQUE É UMA RELÍQUIA DO PARAÍSO E UM TIPO DO CÉU. O primeiro Sabbath alvoreceu num paraíso sem pecado. Quando Adão foi criado à imagem o seu Criador, ele foi colocado no jardim para cultivá-lo e mantê-lo. Sem dúvida, isso lhe tirou muita energia. Fazer o luxurioso vinho, juntar as frutas da figueira e manuseá-las, conduzir a água para as árvores frutíferas e para as flores, exigiu dele todo seu tempo e toda a sua habilidade. O homem nunca foi feito para ficar à toa. Quando chegava o dia de Sábado, seus instrumentos rurais eram postos de lado e o jardim já não era sua prioridade. Sua calma e sua mente pura enxergavam além das coisas que se podiam ver até o mundo das realidades eternas. Ele andou com Deus no jardim, buscando o conhecimento mais profundo de Jeová e de Seus caminhos; seu coração ardeu mais e mais com o santo amor, e seus lábios  transbordavam de louvor seráfico. Mesmo no paraíso, o homem precisou do Sabbath. Sem ele, o próprio Éden seria incompleto. Quão pouco eles conh

Efésios 1.12 - Os Judeus como Glória do Senhor - Exposição em Efésios - Sermão pregado dia 20.05.2012

Efésios 1.12 - Os Judeus como Glória do Senhor Exposição em Efésios -  Sermão pregado dia 20.05.2012 " Com o fim de sermos para louvor da sua glória, nós os que primeiro esperamos em Cristo " (Ef 1.12). Após termos visualizado os ditos de Paulo acerca de que todas as coisas acontecem " segundo o conselho da sua vontade " (v. 11), ele passa agora a ensinar àqueles irmãos sobre que, não obstante a rebeldia e ingratidão do povo judeu, mesmo assim o Senhor tinha um plano especial para com aquele povo, de modo que pela Sua grande e excelsa misericórdia, aprouve-Lhe expor e magnificar Seu nome primeiramente dentro dos arraiais israelitas. É importante atentarmos para o fato de Paulo enfatizar a questão judaica e de como ela era importante para ele. O apóstolo é firme ao dizer que eles, os judeus, foram o alvo primeiro da salvação e que aguardavam em Cristo Jesus. Isso lembra-nos do diálogo que Jesus teve com a mulher samaritana, onde após ser indagado sobre qual o lu

Série: Homem e Mulher os criou - parte 9 - Homem e Mulher no Jardim - A Queda (O Pecado da Mulher) - Sermão pregado dia 20.05.2012

Série: Homem e Mulher os criou -  parte 9 -  Homem e Mulher no Jardim - A Queda (O Pecado da Mulher) Sermão pregado dia 20.05.2012 Após termos visualizado algumas questões dizentes ao marido e esposa do Senhor, é preciso que lembremos que a história não se encerrou no Jardim, pois houve uma queda. Tudo que temos visto até aqui tem, de modo geral, representado a vida bela e harmoniosa que ocorria naquele formoso e estupendo Jardim. Assim como nos céus não haverá choro nem ranger de dentes, também naqueles tempos idos a beleza era completa e tudo lhes era agradável aos olhos. Porém, mesmo em meio a tudo isso, o Senhor teve por bem, em Sua completa soberania - e que não cabe a nós discutirmos com Ele (Rm 9) -, que houvesse a queda. Por algum motivo que nos é muitas vezes assombroso, o Senhor colocou em Seus planos a ruína do homem.  Haja vista que o propósito do presente estudo não é tratar de pormenores acerca de muitos porquês da queda, e sim o entender da quantidade de desgraça tr

A Verdadeira Adoração - A. W. Pink

Uma das falácias mais solene e destruidora de almas nestes dias é a idéia de que almas não-regeneradas são capazes de adorar a Deus. Provavelmente a razão maior pela qual este erro tem ganho tanto espaço deve-se à imensa ignorância espalhada acerca da Natureza Real da Verdadeira Adoração As pessoas imaginam que, se elas freqüentarem um culto religioso, forem reverentes em seu comportamento, participarem do período de hinos, ouvirem respeitosamente o pregador, e contribuírem com ofertas, então realmente adoraram a Deus. Pobres almas iludidas... um engano que é levado adiante pelo falso-profeta e explorador do dia. Contra toda esta ilusão, temos as palavras de Cristo em João 4.24, que são surpreendentes em seu caráter restritivo e pungente: “Deus é Espírito, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade”. A Vaidade da Falsa Adoração “Bem profetizou Isaías acerca de vós, hipócritas, como está escrito: Este povo honra-me com os lábios, mas o seu coração está longe de