"Eu me confesso ser do número daqueles que, aprendendo, escrevem; e escrevendo aprendem" - Agostinho

Se inscreva no meu canal do YouTube!

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

O "Deus Cristão" dos Ateus


O "Deus Cristão" dos Ateus -
por Filipe Luiz C. Machado


Talvez você já tenha reparado que praticamente toda crítica vinda por parte dos ateus aos cristãos inicia-se sempre com a premissa de que a bondade de Deus - expressa na bíblia - não condiz com aquilo que nós vemos e presenciamos nesse mundo. Advogam eles que um dos motivos para Deus não existir é que há uma disparidade entre aquilo que Ele diz ser e aquilo que Ele faz no mundo.

O problema, meus amados, é que essa crítica não tem fundamento algum - embora espante alguns cristãos.

Vejamos que os ateus atacam a bondade, benignidade, misericórdia, graça e todos os atributos "bonzinhos" de Deus sempre contrastando-os com mortes, destruição, catástrofes naturais, serial-killers, homens bomba, hospitais que não funcionam, negligencia paternal, desigualdade social, doenças sem cura e uma outra miríade de coisas que poderíamos citar.

O fato que precisamos sempre lembrar é: O amor de Deus - tão criticado pelos ateus - é um amor para com Sua verdade e não um amor como nós imaginamos.

O amor de Deus está alicerçado na Sua palavra, que provém de Sua justiça. Tal entendimento é importante pois em momento algum a bíblia coloca o Senhor como alguém que é SOMENTE bondade - do nosso ponto de vista humano e falho. Esse é o ponto.

A bíblia constantemente diz que é Deus quem julga as nações, pois elas O pertencem (Sl 82.8). Também diz que "O teu trono, ó Deus, é eterno e perpétuo; o cetro do teu reino é um cetro de eqüidade" (Sl 45.6). De igual modo, nos é dito que o Senhor é o senhor do Exércitos, um Deus que destróis seus inimigos - contudo, não é injusto.

Parece-me que com essa última frase eu já ouço um ateu dizendo: "Mas então Deus é uma contradição! Pois como pode ele ser um deus que destrói os inimigos e não ser injusto? Ele não é amor?". Ao passo que eu lhe responderia: "Mostre-me nas sagradas escrituras onde que o amor de Deus não está dentro de sua justiça e de Suas mui benigas vontades".

O ateu também se vangloria dizendo que não possui religão, contudo, o problema é que o seu próprio não acreditar em Deus já é sua religião! Os ateus jactam-se dizendo que "Deus não existe", mas olhemos atentamente para o que disse um "grande" filósofo e ateu:

"Eu quero que o ateísmo seja verdade e me sinto desconfortável pelo fato que as pessoas mais inteligentes e bem informadas que eu conheço sejam religiosas. Não é simplesmente que eu não acredito em Deus e, naturalmente, espero que esteja certo em minhas crenças. Eu espero que não exista nenhum Deus! Eu não quero que Deus exista! Eu não quero que o universo seja assim" - Filósofo e Ateu Thomas Nagel. [1]

Portanto, a próxima vez que você se deparar com um ateu que questione sua fé, não se desespere. Lembre-se primeiramente do Paulo disse: "A minha palavra, e a minha pregação, não consistiram em palavras persuasivas de sabedoria humana, mas em demonstração de Espírito e de poder" (1Co 2.4), para que não incorra no erro de achar que é sua mera intelectualidade e racionalidade que poderá mudar o coração daquele vil pecador.

Então, posteriormente, talvez lhe seja de alguma utilidade lembrar-se do que vimos até aqui, ou seja, que as tristezas que nos assolam, a dor, o ódio, as catástrofes e tudo mais que aflige-nos nesse mundo, estão nas mãos do Deus soberano.

Nota:
[1] Fonte: http://mauevivian.blogspot.com/2011/03/ateu-sincero.html

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Por favor, comente este texto. Suas críticas e sugestões serão úteis para o crescimento e amadurecimendo dos assuntos aqui propostos.

Compartilhe

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

pop-up LIKE

Plugin