"Eu me confesso ser do número daqueles que, aprendendo, escrevem; e escrevendo aprendem" - Agostinho

Se inscreva no meu canal do YouTube!

sábado, 6 de agosto de 2011

Como ser "Salvo" e ainda ir para o Inferno!


Como ser "Salvo" e ainda ir para o Inferno! -
Por Jorge Fernandes Isah

Devemos nos envolver e revelar os desvios que o movimento do "não-senhorio de Cristo" tem implementado em boa parte da igreja evangélica.

Em linhas gerais, para quem ainda não sabe, o "movimento do não-senhorio" de Cristo afirma que alguém pode ser salvo sem apresentar um fruto sequer. A salvação, pela graça, em si mesma, não está "atrelada" à santificação ou ao testemunho que o salvo deveria dar.

Contrariamente ao que a Bíblia afirma, segundo os proponentes desse movimento, o cristão pode ser salvo mesmo sem arrependimento, sem fé, sem frutos, etc, pois bastaria apenas e tão somente a graça. Isto é uma verdade, porém, uma meia-verdade.

Quanto à salvação ela é completamente de Deus, o homem não pode colaborar em nada. Mas ela pressupõe um processo, ainda que tenha sido decretada eternamente. E esse processo também é decretado, de tal forma que o salvo terá fé, arrepender-se-á, será regenerado, santificado e dará frutos para a glória de Deus [não nesta sequência].

Portanto, um salvo não precisará das obras para a salvação, mas as obras confirmarão a sua salvação.

O que o movimento do não senhorio de Cristo proclama é que Deus salvará o homem ainda que ele não saiba, não queira, e não seja capacitado a testemunhar a sua eleição. Poderá mesmo continuar tão ímpio que não haja diferença em sua natureza.

Mas tudo isso é avesso e alheio à verdade, ao que a Bíblia nos revela, porque o Senhor nos disse que pelos frutos conhecereis a árvore [MT 7.16-20], numa clara alusão de que o cristão dará frutos que revelem que é semelhante a Cristo. Da mesma forma, o Senhor também disse que seriamos reconhecidos como seus discípulos se amássemos uns aos outros [Jo 13.35]; ou seja, os frutos são uma espécie de atestado daquilo que somos, do que nos tornamos pelo poder Deus.

É estranho que haja entre aqueles que se dizem discípulos de Cristo quem defenda o não discipulado a um salvo.

Interessante que a doutrina do não-senhorio reconhece a parte mais fácil para o homem [a salvação], mas sem as suas implicações diretas: a servidão, a sujeição ao Senhor; que resultará na morte do velho homem e no surgimento do novo homem.

Não há, verdadeiramente, a possibilidade de se ser salvo sem ser servo; de receber a redenção sem se sujeitar ao Redentor.

Essa doutrina nada mais é do que outra distorção, uma nova tentativa de anular o Evangelho e a obra completa de Cristo na vida do eleito, assim como os antinomistas, por vários séculos, vêem se esforçando em disseminar sua heresia.

O problema está sempre em abandonar aquilo que a Escritura diz e que foi corroborado através dos séculos pela igreja.


Uma interpretação que suprima um princípio ou descontextualize a Bíblia implicará na heresia ou no erro [ambos se misturam de tal forma que é difícil separá-los, ainda que se tente fazê-lo tenazmente].

Acontece que tem de haver uma fragmentação, dissociação, ruptura na doutrina bíblica para poder se criar algo tão equivocado como a teologia do não-senhorio de Cristo. Em outras palavras, seria o mesmo que se querer um cristianismo sem Cristo, onde ele apenas nos salvaria, sem jamais ser o nosso Senhor. Seria negar toda a Escritura, em seu princípio mais evidente: Cristo como Senhor e Salvador. É interessante que na maioria das vezes em que Cristo é apresentado na Escritura, é-o primeiramente como Senhor e depois como Salvador. Nunca o contrário, revelando que para sermos salvos é necessário que sejamos também servos de Cristo. Separá-lo nada mais é do que se criar um outro cristo, um cristo não bíblico, parte de um cristianismo não-bíblico, não revelado; e que nem mesmo pode ter um "reino" visto não haver súditos para formá-lo.

É o caso de se ser um "salvo" e ainda assim permanecer no inferno.

Aconselho àqueles que defendem a fé bíblica e desejam se informar sobre mais essa heresia que tenta conservar ímpios na impiedade de um cristianismo vazio [ou pseudocristianismo], fácil, irresponsável e que ofende, em todos os aspectos, Deus e sua graça, desprezando a sua santa palavra, a leitura do livro do pr. John MacArthur Jr., "O Evangelho Segundo os Apóstolos", editado pela FIEL.

Fonte: O Cotidiano Cristão

Comente com o Facebook:

2 comentários :

  1. Deus nos alertou e alerta tanto... Estamos rodeados de exemplos de pessoas que seguem doutrinas, mas estão completamente afastadas do Deus vivo. Temos sido negligentes e precisamos refletirmos todos os dias, pois nosso próprio coração é enganoso demais. Por isto é prudente pensar cada um sobre si, se é mesmo um "crente em Cristo Jesus", se é um filho de Deus, gerado denovo pelo Espírito Santo... "Deus não aceita alguém inteiro que se entrega pela metade."

    ResponderExcluir
  2. Exato, Abelmon.

    O grande erro de nossas pseudo-igrejas é que os frutos do Espírito Santo não são mais requeridos na vida dos pseudo-crentes, bastando-lhes serem simpatizantes da boa moral oferecida pelo evangelho.

    Creio que [como meu amigo diz] as pseudo-igreja e os pseudo-crentes estejam nesses estado porque o púlpito é fraco, a pregação não revela e desnuda o homem diante de Deus, ela não faz o homem voltar para casa com o coração triste e desesperado, pelo contrário, as pessoas voltam felizes [não que isso seja inerentemente ruim], pois seus egos foram massageados e sua auto-estima aumentada.

    Que Deus tenha misericórdia de nós.

    Um abraço!

    ResponderExcluir

Por favor, comente este texto. Suas críticas e sugestões serão úteis para o crescimento e amadurecimendo dos assuntos aqui propostos.

Compartilhe

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

pop-up LIKE

Plugin