Pular para o conteúdo principal

Meu Credo Como uma Mulher Cristã - Rebecca Jones


Creio que Deus me criou, uma mulher, à Sua imagem.

Creio que Deus tem autoridade, como meu Criador, para definir toda minha pessoa: corpo, alma, mente e emoções.

Creio que Deus escolheu se revelar pela criação do mundo onde habito, e na encarnação de Seu Filho, Jesus Cristo. Aprendo estas revelações em Sua Palavra, a Bíblia, a qual é esclarecida pelo poder de Jesus Cristo, cujo Espírito trabalha em meu coração e em meu entendimento.

Creio que Deus existe como um, em três pessoas iguais, e que estas pessoas têm entre si relações e funções que são reveladas nas Escrituras.

Creio que todo companheirismo humano é uma reflexo daquele companheirismo perfeito, definido e experimentado desde toda eternidade por Deus em suas relações trinitárias.

Creio que Deus fez a Sua imagem tanto ao homem quanto à mulher.

Creio que Deus deu ao homem um papel federal (representativo) na humanidade em geral (visto tanto em Adão como em Cristo) e que Ele também deu a todo homem o papel representativo e autoritário como cabeça tanto de sua esposa como de sua família.

Creio que Deus criou o matrimônio e a família como a entidade fundamental da sociedade.

Creio que Deus criou o matrimônio (como criou todas as instituições humanas) para revelar Seu caráter de Suas relações com os homens.

Creio que Deus me criou para ser uma ajudante a meu marido e que ao servi-lo e obedecê-lo, também sirvo e obedeço a Deus.

Creio que meu marido foi criado, sobretudo, para amar a Deus, mas que em suas relações humanas, ele deve refletir a natureza de Deus ao cumprir seu papel de protetor, defensor, guia, líder, professor, provedor e pai.

Creio que fui criada, sobretudo, para amar a Deus,e, visto que Deus não me escolheu para uma vida de solteira, também fui criada para criar meus filhos, apoiar meu marido, e ser a Deus e a Sua igreja, principalmente, ainda que não exclusivamente, no exercício destas funções.

Creio que devo considerar meu lar como a prioridade principal de meu ministério a Deus e que ao fazer isto, não irei trazer nenhuma vergonha para o evangelho.

Creio que devo desenvolver uma atração sexual, uma honestidade intelectual, e um fervor espiritual em meu papel como esposa.

Creio que meu marido dará contas a Deus por sua parte em meu desenvolvimento espiritual, mas quando estiver diante do trono do juízo de Deus, serei justificada, não pela justiça de meu marido, mas pela justiça de Cristo.

Creio que a Bíblia me ensina, como uma mulher, a sustentar a autoridade de meu marido em meu matrimônio e em minha casa; respeitá-la, incentivá-la, deseja-la, apreciá-la, trabalhar para seu aumento e incentivar a meus filhos a fazerem o mesmo.

Creio que as Escrituras impedem-me de exercer uma autoridade espiritual final na igreja. Devo evitar a usurpação dos papeis de autoridade exercitados pelos homens no ensino e na disciplina eclesiástica. Especificamente, tenho que evitar o ensino aos homens ou o juízo contra a liderança masculina.

Creio que sou livre para expressar-me verbalmente dentro da igreja para incentivar, louvar, testificar, aconselhar, orar, cantar hinos e canções [nota do autor deste blog: clique aqui para ler um bom estudo sobre este tema] , e instruir sem violar as estruturas de autoridade já mencionadas. Sou especialmente responsável pelo treinamento e ensino das mulheres mais jovens, com a meta de incentivá-las para amar seus maridos e filhos, para se ocuparem em casa, e para não trazer nenhuma vergonha ao evangelho.

Creio que também devo exercer meus dons particulares e pessoais na igreja sem ignorar a hospitalidade, o serviço humilde, a disponibilidade nas emergências, e toda boa obra.

Creio que o pecado afeta todos os aspectos da minha vida. Então, não estou surpreendida que minha natureza pecaminosa rebele-se contra algumas das verdades que confesso. Que Deus, em Sua misericórdia, amoleça meu coração para se conformar a Sua vontade perfeita!

Visto que creio e tento colocar em prática tais crenças, não tenho muita voz pública. Alguém perguntou-me, uma vez, “onde estão as mulheres cristãs que estão dispostas a reproduzir e defender estes assuntos? Se os homens falam disto, não haverá ninguém que os escutará”. A resposta, claro, é que as mulheres cristãs estão obedecendo o mandamento bíblico de “se ocupar em casa”, e por esta razão não têm a oportunidade de expressar sua voz. Agrada-me o privilégio de compartilhar este credo com qualquer pessoa que achar benéfico. Se quiser dialogar comigo sobre seu conteúdo, você pode escrever-me por meio de nosso site: http:www.spirit-wars.com

Humildemente, Rebeca Jones

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher deve se vestir de modo que nenhum homem venha pecar por sua causa

Muitas mulheres e moças atualmente perderam seu próprio valor e muitas mulheres cristãs não tem se dado conta disso - o que acaba por as levar se vestindo conforme o mundo tem ditado; isto é, a moda. Por que digo isso?  Tenho notado o quanto muitas mulheres e moças têm se iludido ao pensarem que é bonito usarem vestimentas que mostram todas as suas curvas, tais como: roupas justíssimas delineando seu corpo, shorts e saias curtas e blusas decotadas. Mas, se fosse para ser  assim, Deus não teria vestido Adão e Eva como diz na Bíblia: " E o Senhor Deus fez túnicas de peles para Adão e sua mulher, e os vestiu " (Gênesis 3:21). Na palavra também está escrito: " Que do mesmo modo as mulheres se ataviem em traje honesto, com pudor e modéstia, não com tranças, ou com ouro, ou pérolas, ou vestidos preciosos. Mas (como convém a mulheres que fazem profissão de servir a Deus) com boas obras " (1 Timóteo 2:9-10). Noto ainda que muitas mulheres e moças usam roupas indecentes co

É pecado um casal de namorados dormir junto?

É pecado um casal de namorados dormir junto? - por Filipe Luiz C. Machado Recentemente um irmão em Cristo perguntou-me sobre a legitimidade - ou não - para um casal de namorados poder dormir junto. Confesso que esse é um ponto delicado, mas creio que - mais uma vez - as Escrituras nos revelam aquilo que devemos fazer. É importante notarmos, primeiro, sobre que tipo de situação nos rodeia. Uma coisa é um casal de namorados que viaja de avião e cuja aeronave cai no meio da floresta, restando poucos sobreviventes e ainda por cima, estavam na estação do inverno, o que implica dizer que necessariamente todos precisam dormir juntos - para se aquecer, caso contrário, morrerão. Mas é claro que essa é uma situação hipotética e nela seria perfeitamente coerente dormir junto, pois seria um pecado deixar alguém morrer de frio quando podia-se evitá-lo. Porém, mesmo a realidade dos namorados não é esta do avião, é a partir do dia-a-dia que as dúvidas surgem. Muitos namorad

A importância da Renúncia

Texto por Angela E. P. Machado ----- “E, pondo-se Jesus a caminho, correu um homem ao seu encontro e, ajoelhando-se, perguntou-lhe: Bom Mestre, que farei para herdar a vida eterna? Respondeu-lhe Jesus: Por que me chamas bom? Ninguém é bom senão um, que é Deus. Sabes os mandamentos: Não matarás, não adulterarás, não furtarás, não dirás falso testemunho, não defraudarás ninguém, honra a teu pai e tua mãe. Então, ele respondeu: Mestre, tudo isso tenho observado desde a minha juventude. E Jesus, fitando-o, o amou e disse: Só uma coisa te falta: Vai, vende tudo o que tens, dá-o aos pobres e terás um tesouro no céu; então, vem e segue-me. Ele, porém, contrariado com esta palavra, retirou-se triste, porque era dono de muitas propriedades.” Marcos 10.17-22 Neste breve texto, vemos o reflexo daquilo em que os judeus acreditavam. Pensavam eles que as riquezas eram um sinal da aprovação de Deus e que os ricos teriam maiores possibilidades de serem salvos, ou seja, de alcançarem a vida etern