"Eu me confesso ser do número daqueles que, aprendendo, escrevem; e escrevendo aprendem" - Agostinho

Se inscreva no meu canal do YouTube!

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Em qual candidato político o cristão deve votar?



Pretendo ser breve, mas sem ser raso. 

Permita-me iniciar dizendo que o cristão é alguém sábio e que por isso busca se pautar somente pela Bíblia. O cristão não é alguém que vai atrás de "boas propostas" ou segue pessoas que apenas prometem coisas muito interessantes. O cristão, primeiramente, reconhece que ambos os Testamentos são válidos para a Igreja, pois foi isto que Paulo escreveu a Timóteo (2Tm 3.16-17). O cristão é aquela pessoa que analisa tudo que lhe vem ao coração e aos olhos à luz das Escrituras. Em outras palavras, o cristão sempre busca a Bíblia para saber se o que está fazendo ou fará traz glórias ao Senhor, conforme Paulo ordena: "Portanto, quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus" (1Co 10.31). Deste modo, o cristão já tem a primeira regra para filtrar o candidato: ele também precisa estar desejando glorificar ao Senhor.

Outro filtro pode ser retirado do Salmo 1 que diz: "Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores" (Sl 1.1). A palavra de Deus é clara em afirmar que feliz é o homem que não anda de acordo com o conselho de pessoas que não se submetem à Palavra (os ímpios). Este andar do salmista não é literal, como se estivesse proibindo o povo de andar pelas ruas, mas sim de conscientemente estar junto no caminho dos que não seguem os desígnios de Deus. O salmista também diz que o cristão não deixa de continuar seu caminho para se deter no andar dos pecadores. Afirma ainda outra vez que o cristão sequer se assenta no meio daqueles que escarnecem do Evangelho e, portanto, não glorificam ao Senhor com o que fazem em suas vidas (cf. 1Co 10.31). Assim, a segunda regra é que o cristão não deve votar em pessoas que sejam contrárias à Palavra de Deus.

Surge então outro ponto de extrema importância: "E quando alguma pessoa pecar, ouvindo uma voz de blasfêmia, de que for testemunha, seja porque viu, ou porque soube, se o não denunciar, então levará a sua iniqüidade" (Lv 5.1). Deus orientava o povo de Israel para que quando alguém ouvisse uma voz de blasfêmia, imediatamente denunciasse tal pessoa, pois se assim não o fizesse, "então levará a sua iniqüidade". Falando em outras palavras, era o mesmo que Deus dizer que todo aquele que fica sabendo de alguma coisa pecaminosa que outrem está fazendo, mas não denuncia o pecado (ou apenas foge para longe dele), é igualmente culpado. Então, a terceira regra para se votar é observar se há propostas que não sejam amparadas pela Bíblia, afinal, tudo que não é sustentável por ela, é blasfêmia.

A última e quarta regra que vai nortear o pensamento é que o voto é um pacto. Quando votamos em alguém, não estamos simplesmente apertando algumas teclas e pensando: "Bem, seja o que Deus quiser, tomara que dê certo..." O homem e a mulher de Deus que pensam assim desconhecem o que estão fazendo. Por ser um pacto, tudo o que seu candidato fizer contra a palavra de Deus, recairá também sobre você por ira divina, pois lemos anteriormente em Lv 5.1 exatamente isto.

Assim, penso que alguns podem estar ficando receosos de votar em determinadas pessoas (ou em todas), pois quem gostaria de ser participante das obras infrutíferas das trevas?

Eis, então, a solução: "Quando fizeres algum voto ao SENHOR teu Deus, não tardarás em cumpri-lo; porque o SENHOR teu Deus certamente o requererá de ti, e em ti haverá pecado. Porém, abstendo-te de votar, não haverá pecado em ti. O que saiu dos teus lábios guardarás, e cumprirás, tal como voluntariamente votaste ao SENHOR teu Deus, declarando-o pela tua boca" (Dt 23.21-23 - grifo meu). Observe qual a sequência que o Senhor delimitou:

1. Se fizeres algum voto, então "não tardarás em cumpri-lo" (embora o texto fale de "voto ao SENHOR", lembramos de 1Co 10.31 e extraímos a conclusão de que até mesmo o voto para homens deve estar subordinado ao Senhor e a Ele render louvores);
2. Haverá pecado caso a promessa não seja cumprida, "porque o SENHOR teu Deus certamente o requererá de ti" (como o voto é um pacto, uma associação, então se o candidato não cumpre o que prometeu, aquele que nele votou é igualmente culpado);
3. Se preferir, é melhor não votar e assim "não haverá pecado em ti";
4. Uma vez tendo realizado o voto, é uma obrigação cumpri-lo, "O que saiu dos teus lábios guardarás".

O que tudo isto nos ensina? Resumidamente o ensinamento da Bíblia é que só devemos votar em pessoas comprometidas com as Escrituras e que seguem estritamente (não superficialmente) a Lei do Senhor, tanto do Antigo como do Novo Testamento. Quem vota em políticos que não vivem coerentemente com a Lei de Deus, peca conjuntamente com eles e atraí abominação e ira da parte do Senhor dos Exércitos.

Portanto, nestas eleições, caso encontre um candidato de acordo com a Lei de Deus revelada em Sua Bíblia, vote sem demora nele. Todavia, caso não haja algum, é melhor anular o voto, pois "abstendo-te de votar, não haverá pecado em ti" (Dt 23.22). Lembremos ainda das palavras santas: "Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas?" (2Co 6.14).

Como é muito provável que homens não tementes ao Senhor e seguidores da Lei subirão ao poder, lembremos, então, igualmente do que Paulo nos diz: "Antes de tudo, recomendo que se façam súplicas, orações, intercessões e ação de graças por todos os homens; pelos reis e por todos os que exercem autoridade, para que tenhamos uma vida tranquila e pacífica, com toda a piedade e dignidade" (1Tm 2.1-2).

Comente com o Facebook:

6 comentários :

  1. COMO FIZERAM AO ESCOLHER O APOSTOLO NO LUGAR DE JUDAS. O ESPIRITO SANTO DECERNIU CADA UM EM SUA ESCOLHA SENDO ASSIM FAREMOS O PEDIDO PARA ACERTARMOS NA ESCOLHA DE UM BOM HOMEM DE BOM CORAÇÃO,SOMENTE ISSO,ANTES POREM,A NÓS É DADO O CONCEITO VIVENDO ESPECIFICAMENTE A NATUREZA DO EVANGELHO SEM QUE ESTEJAMOS NUMA CASA HOMICIDA E CORRUPTA FAZENDO PARTE DE HOMENS IMPIOS.SOMOS SEPARADOS EM CRISTO E POR CRSITO

    ResponderExcluir
  2. Mas na escolha do discípulo ambos eram justos irmão, o Espírito santo separou. Na política somos nós quem temos que fazer isso, observando os princípios do suposto candidato!

    ResponderExcluir
  3. Uma vez ouvi de um candidato evangélico a promessa lutar pelos evangélicos, defender a família e a moralidade, entre outras coisas.
    Mas me parece que esse homen se esqueceu de um pequeno detalhe, A BíBLIA.
    A Bíblia nos diz que no final dos tempos haverá perversão, perseguição aos bons cristãos entre outras coisas que antecedem ao arrebatamento.
    Então me pergunto: Como esse pastor politico pode lutar contra coisas que a própria biblia diz que devem acontecer? Ou é ingênuo ou age de má fé.

    ResponderExcluir
  4. Existem pessoas,que dizem ser cristã,..
    Mais na hora de vota não analisa RM quem esta votando, e votam ate mesmo em pessoas que professam uma outra fé.
    Muita das vezes e por causa o político comprou a pessoa com algo, isso e algo horrível, detestável.

    ResponderExcluir
  5. me pareceu claro,não está mandando votar em cristão,está pedindo que analisemos se há candidatos que na nossa ação de votar possam exaltar o nome do Senhor,ou melhor estejamos fazendo do nosso voto algo louvável ao Senhor de outra forma se não acharmos,anulemos nosso voto.

    ResponderExcluir
  6. Filipe, seria pecado votar num Dia do Senhor, não?

    ResponderExcluir

Por favor, comente este texto. Suas críticas e sugestões serão úteis para o crescimento e amadurecimendo dos assuntos aqui propostos.

Compartilhe

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

pop-up LIKE

Plugin