"Eu me confesso ser do número daqueles que, aprendendo, escrevem; e escrevendo aprendem" - Agostinho

Se inscreva no meu canal do YouTube!

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Aprendendo a Refutar Heresias


Pelo termo heresias, quero enfatizar todo ensinamento contrário à sã doutrina, à reta verdade ensinada na Bíblia Sagrada. Um problema, porém, surge: o que é a Verdade? Como cristãos, precisamos saber o que a Bíblia fala sobre todos os assuntos, de maneira a poder andar como Cristo andou, afinal, "Aquele que diz que está nele, também deve andar como ele andou" (1Jo 2.6).

O primeiro ponto para se refutar heresias é, portanto, conhecer a Verdade - e isto advém de duas maneiras concomitantes: estudo diligente da Palavra e oração. Esqueça qualquer "método" que fuja a esta parceria, pois firmemente somos informados de que a mera intelectualidade, para nada serve se não estiver em Cristo, "porque sem mim nada podeis fazer" (Jo 15.5). 

Se o querido leitor não conhece a Verdade e não estudou suficientemente bem, com o devido respeito, digo: não tente refutar heresias, quer dizer, acautele-se quanto à debates e discussões teológicas. Estude primeiro (e muito), para depois intentar defender suas bases. Triste coisa é conversarmos com certos crentes que, mesmo tendo lido e estudado muito parcamente, creem que seus "achismos" conseguem convencer a todos acerca de suas posições.

O segundo ponto para se refutar heresias, diz respeito a, em vez de se atacar a forma com que a heresia de afigura como um todo (afirmativa, negativa, imperativo...), compreender qual o ponto fraco e por onde se pode começar a desmanchar a farsa. Explico com um exemplo real.

Algo infelizmente comum nos círculos pentecostais é o dizer de que piercings, a depender de onde são postos, atraem demônios ou quando menos, abrem "brechas" na vida espiritual, isto é, se a joia for posta na língua, a "brecha" será no falar; se for na sobrancelha, a "brecha" será no olhar, se for na orelha, a "brecha" será para o inimigo sussurrar... e por aí segue. Embora este motivo dado para se ser contra o piercing seja ridículo, muitos acabam não colocando tais joias, não por causa dos motivos bíblicos, mas temendo abrirem "brechas" em suas vidas, com medo de que inimigo poderá se apoderar se seus sentidos. Como refutar, então, isto? A resposta é bastante simples, rápida e efetuada em seis passos.

1. Peça a base bíblica para tal proibição com base em "brechas". Aquele que estiver condenando o piercing por estes motivos acima, precisa, necessariamente, indicar na Escritura de onde está tirando a ideia de que objetos em certos lugares dão "brechas", afinal, se "Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça" (2Tm 3.16), então a proibição deve ser pautada pela Bíblia.

Mas vamos conjecturar, apenas, que tal pessoa possua alguns versículos bíblicos que deem, em princípio, ensejo a tais "brechas". Se isso acontecer, siga o segundo passo.

2. Pergunte sobre qual é o contexto em que o versículo está inserido, ou seja, questione para quem, quando e como aquela carta foi escrita, de modo que não se tire o texto para pretexto. 

Se tal pessoa souber informar o contexto e parecer que tal versículo de fato dá margem para se interpretar tais "brechas", vá para o terceiro passo.

3. Indague sobre como foi que tal pessoa descobriu que piercings abrem tais brechas, quer dizer, por que é válido somente para piercings e não para um corte de cabelo, por exemplo?

Este escritor, certa vez, ouviu a seguinte resposta para a pergunta acima: "o piercing, em certas regiões, é usado para invocar demônios, de modo que não podemos os imitar". Esta resposta é comum, geralmente circundando a questão com base em alguma religião afastada ou numa localidade remota, onde certas pessoas têm determinadas práticas e se utilizam deste objetos.

Se isto acontecer com você, siga o quarto passo.

4. Uma vez que a base para tal pessoa proibir o uso do piercing é a prática de um povo remoto, a questione da seguinte forma: "não existem povos que usam panelas de barro para cozinhar oferendas a ídolos e outras pessoas que usam tambores para 'invocar demônios'? Isso significa que panelas de barro e tambores seja coisas proibidas para os cristãos?" 

Creio que o desfecho seja óbvio. Entretanto, se tal pessoa ainda conseguir ter uma resposta para estas perguntas, temos o penúltimo passo.

5. Questione tal pessoa assim: "a Escritura nos afirma que podemos comer carnes sacrificadas a ídolos, certo (1Co 10.25-31)? Se posso comer carnes que, sabidamente forma oferecidas a ídolos, afinal, 'sabemos que o ídolo nada é no mundo, e que não há outro Deus, senão um só' (1Co 8.4), ou seja, mesmo que alguém, em algum lugar, se utilize de carnes para rituais contrários à Bíblia Sagrada, eu posso fazer bom uso, como pode ser que, somente devido ao fato de certo povos usarem piercings para outros fins ilegítimos, isto tornar o objeto mal por si mesmo?"

Se ainda assim tal pessoa tiver uma resposta, coisa que duvido acontecer, resta um "trunfo".

6. Faça a seguinte observação: "tendo em vista que, segundo você diz, não podemos usar nada que, alguém, em algum lugar ou algum povo utilize para práticas não cristãs, quais são os objetos que podemos utilizar? Isto é, existe alguma coisa que podemos usar? Ademais, tal pensamento não nos levaria a crer que maldições se 'grudam' em objetos, sendo que a Bíblia é clara em dizer que isto não acontece?"

Desta forma, querido leitor, se percebe que, para refutar uma heresia, basta a dividir em partes, desconstruindo aos poucos o erro, a fim de melhor debater sobre cada pormenor. Não procure refutar tudo de uma vez só, pois além de causar confusão, certamente você esquecerá de algo.

Cristo seja convosco.

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Por favor, comente este texto. Suas críticas e sugestões serão úteis para o crescimento e amadurecimendo dos assuntos aqui propostos.

Compartilhe

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

pop-up LIKE

Plugin