"Eu me confesso ser do número daqueles que, aprendendo, escrevem; e escrevendo aprendem" - Agostinho

Se inscreva no meu canal do YouTube!

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

O Incêndio na Boate de Santa Maria e a Soberania de Deus



Santa Maria, Rio Grande do Sul, 27 de janeiro de 2013.

O horror está estampado na cidade. Cada partícula de ar no universo campeiro parece respirar tristeza e agonia. O bom e velho mate perdeu o sabor; a flor murchou e a serra gaúcha já não faz mais frio. Todos sabiam que um dia a morte chegaria, mas não esperavam que fosse neste dia. Com sua foice fatal, registram os noticiários que a morte ceifou 231 vidas. Deixou que outras centenas seguissem seus caminhos, entretanto, deixou registrado na sela do cavalo: "Deus livrou [sua] alma de ir para a cova" (Jó 33.28).

Calamidades desta proporção sempre nos deixam atônicos. O coração muitas vezes parece bater mais rápido, ou lentamente, não sabemos discernir, talvez, pare, suspenda; realmente não entendemos - mas é certo que nos fazem perplexos. Como um estrondo profundo, ressoa nossa consciência: onde Deus estava? Se é soberano, por que não cuidou daqueles jovens?

Meus amados, apesar de todo lamento, a pergunta nunca deve ser, "onde Deus estava?", mas, sim, "onde estes jovens estavam?". Devemos ter todo o cuidado ao ponderarmos sobre estas questões, porém, não podemos ser levianos e crer, por um lado, que aqueles jovens eram mais perversos do que os demais que muitas vezes frequentam as igrejas, mas que possuem um coração afastado do Senhor. Por outro, não devemos crer que simplesmente foi um "acidente".

Não podemos crer que aquele incêndio foi um apenas mais um incêndio. Não podemos acreditar que foi apenas mais um "incidente terrível". Precisamos recobrar o entendimento de que tudo acontece com um propósito.

A palavra de Deus nos diz: "E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito" (Rm 8.28). Não posso tecer juízos de valor sobre se haviam ou não pessoas que professavam a fé cristã na Boate Kiss, em Santa Maria. Tampouco posso precisar se no número de mortos havia algum eleito de Deus - realmente não sei e suspeitarei da fé de todo aquele que diz saber.

Todavia, Paulo é específico em dizer que absolutamente tudo coopera para o bem. Notemos que há um povo em específico para quem Paulo se dirige: "para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito". A indagação, desta forma, não deve ser sobre os porquês de Deus ter ordenado que tal catástrofe acontecesse, e sim acerca se cada uma daquelas vítimas estava em Cristo. Elas viviam para a glória de Deus (1Co 10.31)? Buscavam servi-Lo de maneira excelente? Tinham-O como Senhor de Suas vidas?

Novamente, não desejo afirmar ou negar qualquer uma destas questões, pois embora nunca tenha ido em uma "Boate" propriamente dita, já frequentei algumas casas de show - sim, enquanto eu professava ser da fé cristã. Eu estava olimpicamente errado em estar nestes lugares, pois ia para os deleites de minha carne - hoje percebo o erro e vejo que o Senhor me livrou de terríveis males, bem como salvou minha alma. Nada fiz para nunca ter sido consumido por chamas ou ter morrido por inalar fumaça tóxica. Não sou melhor do que qualquer um daqueles corpos gelados estendidos no ginásio.

Assim, não podemos afirmar que todos aqueles jovens que morreram pisoteados, outros tantos por ficarem sem oxigênio e terem respirado toda sorte de toxinas, muitos tendo se dirigido ao banheiro, crendo que era a saída, não eram eleitos. Noutro sentido, certamente, também não podemos dizer que cada um daqueles corpos, agora sendo velados e enterrados, está no seio do Senhor. É preciso ser prudente.

O profeta Jeremias, em seu livro onde relata suas lamentações, nos fornece uma resposta exemplar e nos dirige sobre o que pensar quando tais fatos acontecem: "Porventura da boca do Altíssimo não sai tanto o mal como o bem? De que se queixa, pois, o homem vivente? Queixe-se cada um dos seus pecados" (Lm 3.38-39).

Queridos irmãos, leitores e eventuais parentes e amigos das vítimas, que neste dia você possa refletir sobre se você tem estado no Senhor. Não possuo poder para acalentar seu coração, embora desejasse o ter. Nem mesmo que eu me deitasse três vezes sobre o corpo de cada vítima, tal qual fez Eliseu (1Rs 17.21), não poderia trazer os meninos e as meninas de volta à vida terrena. Mas desejo lhe perguntar: sua alma repousa segura no sacrifício de Cristo? Assim como aqueles jovens, com a mais absoluta certeza que podemos afirmar, pensavam que seria apenas mais uma "festa", mais uma descontração, mais um dia qualquer vivendo para o pecado, mas foram tragados, deixando famílias de luto eterno, seu dia também pode estar próximo - "e o que tens preparado, para quem será?" (Lc 12.20).

Aquele que foi, não mais voltará, caro leitor. Resta a ele e a ela, tão somente o julgamento. Quanto a nós, seres viventes nesta terra, possamos seguir a santa Palavra: "Assente-se solitário e fique em silêncio... Ponha a sua boca no pó; talvez ainda haja esperança" (Lm 3.28-29). 

Se você encontra-se longe de Cristo, não tarde em buscá-Lo.

Fonte da foto: G1 - Globo.com

Comente com o Facebook:

Um comentário :

Por favor, comente este texto. Suas críticas e sugestões serão úteis para o crescimento e amadurecimendo dos assuntos aqui propostos.

Compartilhe

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

pop-up LIKE

Plugin