"Eu me confesso ser do número daqueles que, aprendendo, escrevem; e escrevendo aprendem" - Agostinho

Se inscreva no meu canal do YouTube!

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Seu amigo tem uma esposa? Veja a nudez dela! Ou não!


Suponha que uma noite um vizinho bata na porta de um cristão e diga: 

-"Gostaríamos de fazer um convite a vocês esta noite..."

-" Oh, muito obrigado!", ele responde, sem suspeitar do que se trata.

-" Calma, calma, deixe-me terminar de dizer. Gostaríamos de convidar vocês para entrar em nosso quarto e nos assistir enquanto fazemos sexo. Isso pode ser algo realmente excitante para todos nós".

O cristão recusa horrorizado:

-"Não podemos! Você sabe, somos cristãos".

-"Ah, claro", responde balançando a cabeça. "Isso poderia ser um pouco demais pra vocês. Então, vamos fazer o seguinte: Nós temos uma câmera de vídeo. Por que não gravamos tudo, e eu trago aqui pela manhã? Então vocês podem assistir quando quiserem".

O cristão explica que isso também não seria possível.

-"Não estou entendendo", diz o vizinho, com um olhar perturbado. "Semana passada vocês nos convidaram para a casa de vocês e nos sentamos todos para assistir a um filme na tevê. Nele havia umas poucas cenas de nudez. Por que você está disposto a assistir a mulher de outro homem, mas não a minha? Minha esposa pode não ser uma miss, porém..."

Aqui o pobre cristão interrompe e explica que a aparência da mulher do vizinho não tem nada haver com a recusa. E passa a explicar que não são cristãos comuns. Eles pertencem a um grupo muito especial - o dos hipócritas.

Hipocrisia é uma palavra muito forte? Penso que não. Muitos cristãos estão disposto a assistir, por meio de uma câmera cinematográfica, aquilo que jamais sonhariam ver em pessoa. Não entrariam num bar onde há garotas com seios á mostra, mas assistem alegremente a filme nos quais há muito mais.

Estaria a maioria dos homens cristãos disposta a dar voltas pela vizinhança, observando as mulheres na janela? Certamente não. Mas, e se descobrissem uma mulher que tenha percebido a presença deles e esteja disposta a se despir em frente à janela? Isso seria pior ainda. E se ela estivesse ganhando muito dinheiro, tivesse um produtor e diretor, e fizesse tudo isso para as câmeras, com milhões de homens vendo-a pela janela e desejando-a? Isso seria absurdamente diferente, tornando a questão muito "complexa ", não é mesmo?

Alguns tentam relevar esse tipo de comportamento com base nos padrões contemporâneos. Os cristãos não querem ser diferentes naquilo que assistem. Não querem admitir que seus discipulados se aplicam nessa área. E também não querem admitir que a atividade sexual e nudez na tela é para eles sexualmente excitante.

Mas aqueles que negam que tais coisas têm efeito sobre eles estão simplesmente enganando a si mesmo. Não há como assistir - por diversão - cenas sexuais e exposição de nudez sem ser de alguma maneira afetado negativamente. Mas existem homens que negam que tá as coisas os afetem. Tal negação parte de dois tipos de homens. No primeiro grupo estão os mentirosos. Eles estão mentindo para si mesmos ou para os outros, e muito provavelmente nos dois casos. O homem é excitado ou despertado sexualmente por aquilo que vê, mas como cristão, sabe que não é socialmente aceitável dizer isso. Então vai ao cinema com seus amigos cristãos, e fala desse modo: "O filme foi realmente muito bom. Foi lamentável ter tido aquela cena". Mas em seu coração, aquela única cena foi a guloseima que ele engoliu. 

Há outro tipo de homem que nega que isso o afete, e está dizendo a verdade. Mas por que aquilo não o desperta sexualmente? Porque seu coração está endurecido,r sua consciência cauterizada: "Todas as coisas são puras para os puros; todavia, para os impuros e descrentes, nada é puro. Porque tanto a mente como a consciência deles estão corrompidas" (Tt: 1:15). Este sujeito tem a consciência tão insensível que seria necessário muito mais do que aquilo para mexer com ele. 

Mas o coração pode ser muito enganoso. Há um terceiro modo de pecar neste tipo de coisa. Essa reação reconhece o impacto que tais conteúdos têm, e tenta fazer uso dele. As pessoas, mesmo cristãs, frequentemente justificam o ato de ver ou ler materiais imorais dizendo que isso os ajuda na vida sexual do lar: "Não importa de onde veio o seu apetite, contanto que você coma em casa." Essa abordagem ao menos tem a virtude de ser honesta. Ela admite que material sexualmente explícito é sexualmente excitante. Mas essa abordagem é terrivelmente falha. 

[...] a bíblia diz expressamente aos homens onde a satisfação e a excitação devem estar. Somente em sua própria esposa. [...] Outras mulheres, sejam em filmes, livros, ou revistas, não devem ser fonte de estímulo.  [...] A introdução de outros em um relacionamento sexual (estejam eles em duas dimensões ou não) é somente fonte de frustração a longo prazo. Isso porque é inevitável surgirem comparações, e tais comparações são destrutivas em um relacionamento pactual piedoso.

- por Douglas Wilson
Fonte: Reformando o casamento, Ed. CLIRE, págs. 117-119 | Adquira o livro neste link.

Comente com o Facebook:

2 comentários :

  1. Que porrada de Verdade!
    Identifiquei-me totalmente nesse cristianismo hipócrita!
    Como sou hipócrita!

    ResponderExcluir

Por favor, comente este texto. Suas críticas e sugestões serão úteis para o crescimento e amadurecimendo dos assuntos aqui propostos.

Compartilhe

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

pop-up LIKE

Plugin