Pular para o conteúdo principal

Liberdade? Não, o povo não gosta de liberdade.


É costumeiro ouvirmos que "o povo quer liberdade", que "quer ser livre para pensar, expressar e viver sua própria opinião". Todavia, este sentimento é gerado por uma ilusão, pois, não raro, as pessoas que esboçam tais ideias, ainda não entenderam no que implica a liberdade, a saber: em responsabilidade.

Responsabilidade é uma palavra totalmente atrelada à liberdade, mas que muitos insistem em não entender. Não é exatamente que não entendem, e sim que não desejam aceitar, afinal, a ideia de "liberdade" parece querer expressar um ideal aonde não será cobrado coisa alguma do indivíduo, afinal, ele é livre.

Para tentar ilustrar, pense no primeiro exemplo: que coisa maravilhosa seria andar de motocicleta sem capacete - já pensou? O vento no rosto e a sensação de frescor aumentada exponencialmente. Quem não gostaria? Ouso dizer que a maioria teria tal desejo (ao menos para pequenas distâncias). Suponhamos, então, que isto seja possível em nossa legislação, entretanto, com o seguinte requisito: quem se acidentar e não estiver usando capacete, não será atendido pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Refletindo sobre a ideia acima, muitos dos defensores da liberdade de andar sem capacete, certamente reveriam seus posicionamentos, pois do que adianta a liberdade para dirigir como quiser, sendo que o Estado não lhe dará o amparo "necessário"? Ou seja, a pergunta que se faria é: o risco da liberdade, valeria a responsabilidade atribuída?

Tentando clarear, permitam-me um segundo exemplo: que seja possível, em nosso Brasil, beber e dirigir alcoolizado. Sim, suponha que alguém possa ir para uma festa, "beber todas" e depois pegar seu carro, passar por policiais/agentes de trânsito e tudo isso sem qualquer receio de ser pego em alguma fiscalização, porque tal coisa não existiria. Todavia, caso acontecesse algum acidente - em especial com morte - o motorista seria severamente punido e no caso de morte, nunca mais poderia dirigir e/ou alguma outra sanção severa (o ideal seria a pena de morte, mas... estamos no Brasil).

Tal qual no primeiro exemplo, os mesmos indivíduos que outrora rogavam por maior liberdade, teriam grandioso receio em beber e dirigir - não porque "não se garantem", e sim pelo medo da responsabilidade que a liberdade lhes colocou. A pergunta que fariam é: alguma bebida e "felicidade", valeriam o peso da responsabilidade e uma sanção para toda uma vida?

Desta forma e com muitos outros exemplos que poderiam ser citados, se verifica que o povo fica "confortável" com as leis impostas pelo governo. Ficam confortáveis porque seja lá que barbaridade cometerem no trânsito, o SUS lhes assistirá e proporcionará todos os mantimentos necessários; ficam confortáveis porque poderão beber, dirigir e a sanção não será "lá aquelas coisas".

O resultado, então, é simples: o povo clama por liberdade, mas não sabe no que ela implica. E enquanto vivermos em uma sociedade com este tipo de mentalidade, sempre haverão mais legisladores prontos para dar "segurança" ao indivíduo, tudo em troca de lhes retirar a responsabilidade. Noutras palavras, o Estado continuará a dizer: "não seja livre; seja meu escravo e eu lhe tiro a responsabilidade".

Tristes dias.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher deve se vestir de modo que nenhum homem venha pecar por sua causa

Muitas mulheres e moças atualmente perderam seu próprio valor e muitas mulheres cristãs não tem se dado conta disso - o que acaba por as levar se vestindo conforme o mundo tem ditado; isto é, a moda. Por que digo isso?  Tenho notado o quanto muitas mulheres e moças têm se iludido ao pensarem que é bonito usarem vestimentas que mostram todas as suas curvas, tais como: roupas justíssimas delineando seu corpo, shorts e saias curtas e blusas decotadas. Mas, se fosse para ser  assim, Deus não teria vestido Adão e Eva como diz na Bíblia: " E o Senhor Deus fez túnicas de peles para Adão e sua mulher, e os vestiu " (Gênesis 3:21). Na palavra também está escrito: " Que do mesmo modo as mulheres se ataviem em traje honesto, com pudor e modéstia, não com tranças, ou com ouro, ou pérolas, ou vestidos preciosos. Mas (como convém a mulheres que fazem profissão de servir a Deus) com boas obras " (1 Timóteo 2:9-10). Noto ainda que muitas mulheres e moças usam roupas indecentes co

É pecado um casal de namorados dormir junto?

É pecado um casal de namorados dormir junto? - por Filipe Luiz C. Machado Recentemente um irmão em Cristo perguntou-me sobre a legitimidade - ou não - para um casal de namorados poder dormir junto. Confesso que esse é um ponto delicado, mas creio que - mais uma vez - as Escrituras nos revelam aquilo que devemos fazer. É importante notarmos, primeiro, sobre que tipo de situação nos rodeia. Uma coisa é um casal de namorados que viaja de avião e cuja aeronave cai no meio da floresta, restando poucos sobreviventes e ainda por cima, estavam na estação do inverno, o que implica dizer que necessariamente todos precisam dormir juntos - para se aquecer, caso contrário, morrerão. Mas é claro que essa é uma situação hipotética e nela seria perfeitamente coerente dormir junto, pois seria um pecado deixar alguém morrer de frio quando podia-se evitá-lo. Porém, mesmo a realidade dos namorados não é esta do avião, é a partir do dia-a-dia que as dúvidas surgem. Muitos namorad

A importância da Renúncia

Texto por Angela E. P. Machado ----- “E, pondo-se Jesus a caminho, correu um homem ao seu encontro e, ajoelhando-se, perguntou-lhe: Bom Mestre, que farei para herdar a vida eterna? Respondeu-lhe Jesus: Por que me chamas bom? Ninguém é bom senão um, que é Deus. Sabes os mandamentos: Não matarás, não adulterarás, não furtarás, não dirás falso testemunho, não defraudarás ninguém, honra a teu pai e tua mãe. Então, ele respondeu: Mestre, tudo isso tenho observado desde a minha juventude. E Jesus, fitando-o, o amou e disse: Só uma coisa te falta: Vai, vende tudo o que tens, dá-o aos pobres e terás um tesouro no céu; então, vem e segue-me. Ele, porém, contrariado com esta palavra, retirou-se triste, porque era dono de muitas propriedades.” Marcos 10.17-22 Neste breve texto, vemos o reflexo daquilo em que os judeus acreditavam. Pensavam eles que as riquezas eram um sinal da aprovação de Deus e que os ricos teriam maiores possibilidades de serem salvos, ou seja, de alcançarem a vida etern