"Eu me confesso ser do número daqueles que, aprendendo, escrevem; e escrevendo aprendem" - Agostinho

Se inscreva no meu canal do YouTube!

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

"Disse-lhes Jesus: Vocês não sabem o que estão pedindo"


"Disse-lhes Jesus: Vocês não sabem o que estão pedindo" -
por Filipe Luiz C. Machado


No versículo 1 no referido capítulo (Mt 20), vemos que Jesus começa seu discurso comparando o reino do céus com "um proprietário que saiu de manhã cedo para contratar trabalhadores para a sua vinha". Ele havia combinado um preço com os trabalhadores contratados já pela manhã bem cedo e assim ficara acertada a quantia que receberiam (v.2). Dos versículos 3 à 7 temos ainda outros trabalhadores que foram acrescentados e também chamados para trabalhar, igualmente ficara combinado com cada um deles a quantia que receberiam. Nos versículos 8 e 9 temos a narrativa de quando os últimos trabalhadores (lembre-se dos últimos serão os primeiros) receberam seu salário e nada reclamaram, pois haviam recebido aquilo que lhes havia sido prometido. Já nos versículos 10 à 12 temos a queixa dos primeiros trabalhadores, que não contentes com a aparente injustiça cometida pelo proprietário da vinha, vindicavam um aumento de salário. "Mas ele respondeu a um deles: ‘Amigo, não estou sendo injusto com você. Você não concordou em trabalhar por um denário? Receba o que é seu e vá. Eu quero dar ao que foi contratado por último o mesmo que lhe dei. Não tenho o direito de fazer o que quero com o meu dinheiro? Ou você está com inveja porque sou generoso?" (v.13 - 15) Jesus termina então sua parábola dizendo aos seus discípulos que: "Assim, os últimos serão primeiros, e os primeiros serão últimos" (v.16)

Nos versículos 17 à 19 temos a narrativa de Jesus falando aos 12 sobre o que lhes sobreviria nos momentos seguintes, alertando-os de que sabia sobre o que lhe aconteceria; a saber, que ele não seria pego desprevenido. Importante é percebermos o grande momento pelo qual Jesus passaria! Nos versículos 18 e 19 lemos: "o Filho do homem será entregue aos chefes dos sacerdotes e aos mestres da lei. Eles o condenarão à morte e o entregarão aos gentios para que zombem dele, o açoitem e o crucifiquem. No terceiro dia ele ressuscitará!". Atentemos para o fato de que Jesus não faz pouco caso do que aconteceria, nem lhes diz que ao morrer tudo se findaria, mas deixa claro que o evento não seria o fim de seu ministério, pois "no terceiro dia ressuscitará"!

Chegamos agora (ao que penso eu) ao clímax do texto. Vejamos a discrepância entre tal evento cruel e majestoso que aconteceria ao salvador do mundo, mestre dos discípulos e o pedido de uma mãe. "Então, aproximou-se de Jesus a mãe dos filhos de Zebedeu com seus filhos e, prostrando-se, fez-lhe um pedido. 'O que você quer?', perguntou ele. Ela respondeu: 'Declara que no teu Reino estes meus dois filhos se assentarão um à tua direita e o outro à tua esquerda'." (v.20, 21) Não posso deixar de pensar em como eu reagiria em tal situação. Imagino-me primeiramente informando meus melhores amigos de que haveria de sofrer, padecer por muitas enfermidades, me fazer pecado para salvar meus discípulos que me negariam e abandonariam num primeiro momento, salvar antigos blasfemadores e perseguidores do meu evangelho e tantas outras coisas mais, e de repente, me deparasse com uma pergunta dessas! Certo estou de que não reagiria tal qual nosso mestre Jesus.

Interessante também é que a mãe de Tiago e João (filhos de Zebedeu) não pergunta se Jesus necessitaria de alguma coisa para aquele momento (embora realmente ele não precisasse), nem lhe pede fé para acreditarem que ao terceiro dia iria ressuscitar, tampouco lhe mostra um espírito pronto para aceitar aquilo que lhe sobreviria, mas pede para que seus filhos tenham um lugar de honra no Reino! Comparemos tal declaração com a parábola anteriormente proferida por Jesus. Ele havia dito que não há diferença entre os que são escolhidos por primeiro ou por último, também que não haverá diferença entre o pagamento de ambos, afinal o salário não está a mando do servo, mas sim do mestre. Embora o texto não nos precise se a mãe de Tiago e João estivesse presente quando Jesus falou tal parábola (v.1 - 16), a narrativa nos leva a crer que sim.

Depois de talvez ter ficado estupefato com a declaração daquela mulher, "Disse-lhes Jesus: 'Vocês não sabem o que estão pedindo'." (v. 22a) É de suma importância notar que a mãe de Tiago e João não havia compreendido a seriedade do seu pedido. Em outras palavras, ela lhe estava pedindo que seus dois filhos tivessem os lugares mais importantes no reino dos céus! (creio que o "a direita e a esquerda" queiram fazer menção aos lugares adjacentes do trono de um rei; acredito também que Tiago e João concordaram com sua mãe, haja vista de não nos ser informado de qualquer fala que desmereça o pedido e também a posterior indignação dos restantes dos discípulos com Tiago e João) Veja a falta de compreensão! Pobres pescadores almejando os lugares de maior honra! (acrescento que a frase é "disse-lhes" e não "disse-lhe", dando a entender que havia respondido tanto para Tiago e João quanto para sua mãe)

Após haver lhes dito que tal pedido imerecia prosperar, disse: "Podem vocês beber o cálice que eu vou beber? 'Podemos', responderam eles'. Jesus lhes disse: 'Certamente vocês beberão do meu cálice; mas o assentar-se à minha direita ou à minha esquerda não cabe a mim conceder. Esses lugares pertencem àqueles para quem foram preparados por meu Pai'." (v. 22b e 23) Aqui Jesus lhes mostra que eles poderão partilhar do cálice de Jesus, poderão participar de seu reino (anteriormente ilustrado por meio da parábola), mas que o pedido não cabia a Jesus conceder, mas unicamente "àqueles para quem foram preparados por meu Pai". Não estava a cargo de Jesus conceder lugares de honra no céu, tal encarregado era apenas o Pai.

Diante de tal quadro, não é de nos espantar que "Quando os outros dez ouviram isso, ficaram indignados com os dois irmãos." (v. 24) Ora, não que os outros presentes não pudessem ter feito o mesmo pedido descabido, mas ouvir aquilo da boca de uma mãe, beirava a súplica! Era como se a mãe de Tiago e João dissesse a Jesus: "Embora estejas com teus 12 discípulos, estejas para sofrer por nós, ressuscitar e nos salvar, peço-te que dês atenção e honra especiais para meus filhos". A partir desse prisma, não nos é estranho a reação do restante dos discípulos.

Jesus finaliza dizendo: "Jesus os chamou e disse: 'Vocês sabem que os governantes das nações as dominam, e as pessoas importantes exercem poder sobre elas. Não será assim entre vocês. Pelo contrário, quem quiser tornar-se importante entre vocês deverá ser servo, e quem quiser ser o primeiro deverá ser escravo; como o Filho do homem, que não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos'." (v. 25 - 28) Notemos que Jesus não dá crédito ao pedido da mãe, mas enfatiza para que não tenham o desejo ambicioso de ser maior ou melhor que os outros. Também salienta que nem sempre aquele que parece ser o maior, na verdade o é (vide o paralelo entre governantes das nações, pessoas importantes e o dever ser servo), mas sim que geralmente o maior está no lugar de menos honra à vista dos outros.

Que possamos aprender com esta passagem, para que não saiamos por aí pedindo coisas absurdas e sem real importância para Deus. Não que ele não nos ouça quanto fazemos tal coisa (oh! perdoa-nos!), mas porque devemos ter um coração centrado na servidão e nunca na exaltação.

Deus nos abençoe!

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Por favor, comente este texto. Suas críticas e sugestões serão úteis para o crescimento e amadurecimendo dos assuntos aqui propostos.

Compartilhe

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

pop-up LIKE

Plugin