Pular para o conteúdo principal

Sexo sem narrativa (ou: contra a pornografia)


Somos seres de imaginação, e no sexo tecemos a quatro mãos as nossas fantasias. Mas se terceirizamos essa narrativa à pornografia, o que resta de verdadeiro nela?

Diante do caos da vida criamos as nossas narrativas. Nas páginas da brutalidade insuportável dos acidentes de trânsito, homicídios, tropeços, partidas, enganos, hesitações, encontros, desencontros, paixões e mágoas, tecemos a nossa história.

A vida será tanto melhor quanto mais sofisticada a narrativa que dela fizermos. Quem dirige a sua vida? Woody Allen, Clint Eastwood, Tarantino, Fellini, Bergman, Buñuel, Walt Disney? Você? Seja quem for o diretor, seja o roteirista.

A vida sem fio narrativo é uma vida vã. Ainda que a sinopse mude a todo tempo, e a cada dia os ventos levem o enredo numa direção, é preciso saber narrar para viver verdadeiramente. Para atravessar o caos inteiriço. Para ter grandeza e ser inteiro, sem exagerar nem excluir.

O sentido da vida pode ser, hoje, um sorriso de menina. A dança de Celina. Amanhã, quem sabe, todo o dinheiro para a caridade – e uma volta ao mundo em 90 dias.

Do novelo puxamos nossos fios. Como as Moiras, tecemos, medimos e cortamos as histórias nas horas apropriadas – e, se errarmos, o fio se enovela. Perde o viço, perde o sentido. Quando a narrativa é pobre, a vida é vazia.

Na intimidade, narramos. O poder maior, a libertação profunda, é narrar a própria vida.

E a comunhão fortuita de nossa história com outra história, do que resulta uma novela – ou um novelo – chamamos de sexo.

Porém se o sexo se esvazia de narrativa, o que lhe sobra? Mecânico, torna-se ato, torna-se fato; coito clínico; registro. Pornografia.

A perversidade da pornografia é esvaziar narrativas. Cada vez que acessamos um site pornográfico, entregamos nossas fantasias aos piores roteiristas, talvez por preguiça. Eles contarão arremedos de histórias de violência, submissão, horror e assepsia. Histórias sobretudo mal contadas, sobretudo inverossímeis.

Nunca se consumiu tanta pornografia no mundo – ou seja, nunca terceirizamos tantos roteiros de fantasias. A maior parte da internet é isto: esquetes menos que sexuais, menos até do que pornográficas. Esquetes penetrativas.

Pornografia é sexo menos narrativa. Sexo menos fantasia – legítima fantasia, de minha iniciativa. Eis o que a distingue do erotismo, da sedução, da fantasia. Sexo sem toque, sexo sem riso, sem beijo, aperto, amasso, alegria. Sexo clínico, sem contexto, sexo in vitro.

Prefiro cultivar minhas próprias fantasias narrativas.

Umberto Eco já escreveu que a diferença de um filme erótico para um filme pornográfico tem a ver com o tempo. No filme pornográfico, todas as ações extrassexo aconteceriam rapidamente, enquanto o ato em si seria prolongado ao máximo. Completo: o ato em si é desprovido de narrativa, eis a cartilha da pornografia. Traz a narrativa das fantasias pré-fabricadas, exaustivamente encenadas, de enfermeiras, aeromoças, bombeiros, dançarinos. Mas não as narrativas do corpo, das mãos, do que é, enfim, o sexo: alegria.

Pornografia é sexo sem toque. Sem calor, com holofotes.

Ninguém sabe o que acontece quando a educação sexual de gerações inteiras se dá por meio da internet e da pornografia, atrofiando a imaginação própria, única, misteriosa – algo divina. Quando se aprende desde cedo a terceirizar fantasias para estranhos roteiristas. Quando se tenta reproduzir ângulos só fascinantes para uma lente, para uma câmera.

Para escrever uma narrativa memorável é preciso ter honestidade consigo mesmo, inclusive na cama. É preciso assumir o maior risco de todos: o de ser exatamente aquilo que a gente é. Ser de fantasia, profundas fantasias.

- por Renato Essenfelder
___________________

Nota do autor deste blog: embora o autor do texto não pareça ser crente e a fonte do artigo não seja de um "site crente", a reflexão é bastante oportuna, pois demonstra como este tipo de pecado, invariavelmente, nos leva a uma percepção errada do matrimônio, bem como do sexo criado por Deus.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher deve se vestir de modo que nenhum homem venha pecar por sua causa

Muitas mulheres e moças atualmente perderam seu próprio valor e muitas mulheres cristãs não tem se dado conta disso - o que acaba por as levar se vestindo conforme o mundo tem ditado; isto é, a moda. Por que digo isso?  Tenho notado o quanto muitas mulheres e moças têm se iludido ao pensarem que é bonito usarem vestimentas que mostram todas as suas curvas, tais como: roupas justíssimas delineando seu corpo, shorts e saias curtas e blusas decotadas. Mas, se fosse para ser  assim, Deus não teria vestido Adão e Eva como diz na Bíblia: " E o Senhor Deus fez túnicas de peles para Adão e sua mulher, e os vestiu " (Gênesis 3:21). Na palavra também está escrito: " Que do mesmo modo as mulheres se ataviem em traje honesto, com pudor e modéstia, não com tranças, ou com ouro, ou pérolas, ou vestidos preciosos. Mas (como convém a mulheres que fazem profissão de servir a Deus) com boas obras " (1 Timóteo 2:9-10). Noto ainda que muitas mulheres e moças usam roupas indecentes co

É pecado um casal de namorados dormir junto?

É pecado um casal de namorados dormir junto? - por Filipe Luiz C. Machado Recentemente um irmão em Cristo perguntou-me sobre a legitimidade - ou não - para um casal de namorados poder dormir junto. Confesso que esse é um ponto delicado, mas creio que - mais uma vez - as Escrituras nos revelam aquilo que devemos fazer. É importante notarmos, primeiro, sobre que tipo de situação nos rodeia. Uma coisa é um casal de namorados que viaja de avião e cuja aeronave cai no meio da floresta, restando poucos sobreviventes e ainda por cima, estavam na estação do inverno, o que implica dizer que necessariamente todos precisam dormir juntos - para se aquecer, caso contrário, morrerão. Mas é claro que essa é uma situação hipotética e nela seria perfeitamente coerente dormir junto, pois seria um pecado deixar alguém morrer de frio quando podia-se evitá-lo. Porém, mesmo a realidade dos namorados não é esta do avião, é a partir do dia-a-dia que as dúvidas surgem. Muitos namorad

A importância da Renúncia

Texto por Angela E. P. Machado ----- “E, pondo-se Jesus a caminho, correu um homem ao seu encontro e, ajoelhando-se, perguntou-lhe: Bom Mestre, que farei para herdar a vida eterna? Respondeu-lhe Jesus: Por que me chamas bom? Ninguém é bom senão um, que é Deus. Sabes os mandamentos: Não matarás, não adulterarás, não furtarás, não dirás falso testemunho, não defraudarás ninguém, honra a teu pai e tua mãe. Então, ele respondeu: Mestre, tudo isso tenho observado desde a minha juventude. E Jesus, fitando-o, o amou e disse: Só uma coisa te falta: Vai, vende tudo o que tens, dá-o aos pobres e terás um tesouro no céu; então, vem e segue-me. Ele, porém, contrariado com esta palavra, retirou-se triste, porque era dono de muitas propriedades.” Marcos 10.17-22 Neste breve texto, vemos o reflexo daquilo em que os judeus acreditavam. Pensavam eles que as riquezas eram um sinal da aprovação de Deus e que os ricos teriam maiores possibilidades de serem salvos, ou seja, de alcançarem a vida etern