"Eu me confesso ser do número daqueles que, aprendendo, escrevem; e escrevendo aprendem" - Agostinho

Se inscreva no meu canal do YouTube!

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

O Culto Não Pode Parecer Delírio Aos Incrédulos

O Culto Não Pode Parecer Delírio Aos Incrédulos
via Olhar Reformado



Paulo apela para a coerência, supondo uma situação frequente na Igreja de Corinto. Imaginemos, diz o apóstolo, que haja um culto onde todos estejam presentes e começem a falar em línguas extranhas, sem interpretação (I Cor. 14.23-25).

O culto desorganizado é uma barreira à conversão.

Caso os incrédulos e indoutos, movidos pela curiosidade, entrassem no local de cultos onde os coríntios estavam reunidos, a reação deles seria supor que aqueles cristãos estavam loucos, por estarem agindo de foma tão irracional (I Cor. 14.23). O espetáculo de uma igreja reunida com todos falando ao mesmo tempo, funcionaria como uma barreira a conversão dos visitantes. Por outro lado, se a Palavra de Deus for anunciada e explicada de modo autêntico, ela penetrará como uma espada afiada nos seus corações e consciências, produzindo convicção de pecado (I Cor. 14.24,25).

Infelizmente temos visto coisas deprimentes acontecerem no seio de algumas igrejas neo-pentecostais. Dá-se mais tempo e crédito para canticos “proféticos”, mensagens “proféticas”, do que a genuína e sã doutrina da Santa Palavra. Parece que a mensagem bíblica não basta. Quando o culto virá um espetáculo, estamos beirando mais a encenação do que a espiritualidade resultante da unção do Espírito Santo. Devemos vigiar e combater verazmente estes “arranjos”, que mais servem para afastar os santos servos de Deus da edificação espiritual (I Sam. 15.22).

O culto cristão não promove escândalo.

Paulo mostra sua preocupação missionária, ao dizer que o culto cristão não deve parecer loucura aos incrédulos. Talvez os coríntios considerassem as línguas como tendo valor apologético, isto é, que servissem como demonstração aos incrédulos da presença de Deus no meio deles, durante seus cultos. Paulo, porém, não está persuadido por um tipo de espiritualidade que anula a razão ou o bom senso (I Cor. 10.31-33).

Figurativamente falando, ninguém pode por o Espírito Santo dentro de uma “caixinha de sapatos” e, com isso, limitar sua operação sobrenatural. Ele é absoluto e, assim sendo, está livre para agir como quiser. No entanto, não se pode dizer que o Espírito Santo é responsável por todo tipo patético de manifestações sobrenaturais, pois existem alguns fenônemos que chegam a beira do ridículo, se caracterizando por uma variedadede prodígios, incluindo espasmos, “descansar no Senhor”, glossolalia, ruídos semelhantes aos de animais e, especialmente, gargalhadas contagiantes, que vão desde o porteiro do templo até o pastor no púlpito. Nessas reuniões, os dirigentes de culto usam gestos característicos, sacudindo vigorosamente as mãos para cima e para baixo sobre a cabeça de alguma pessoa, ou ajuntando o ar num suposto e invisível recipiente de “benção”. Infelizmente, acontecimentos como estes, incluindo outros ainda mais escandalosos, têm ganhado espaço em muitas igrejas dentro e fora do Brasil. Devemos estar alerta, pois Paulo escreve: “Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos ultimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensino de demônios” (I Tim. 4.1; I João 4.1).

A verdadeira espiritualidade não traz confussão.

A verdadeira espiritualidade no culto não anula o uso da razão. Cristãos cheios do Espírito não se portam como se estivessem em transe ou agindo irracionalmente. É verdade que sempre haverá os que chamam os cristãos de “loucos” ou “fanáticos”. Mas devemos viver de tal maneira que, se isso ocorrer, não seja por nossa infantilidade ou imaturidade. O próprio Paulo foi chamado de “louco” (Atos 26.24). O evangelho sempre parece loucura aos incrédulos. Mas, quando os próprios cristãos começam a se comportar como loucos, estão contribuindo para agravar a condenação deste mundo perdido.

Fonte: Revista Betel Jovens & Adultos – Professor. 19 de Setembro de 2004. Lição 12.

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Por favor, comente este texto. Suas críticas e sugestões serão úteis para o crescimento e amadurecimendo dos assuntos aqui propostos.

Compartilhe

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

pop-up LIKE

Plugin