"Eu me confesso ser do número daqueles que, aprendendo, escrevem; e escrevendo aprendem" - Agostinho

Se inscreva no meu canal do YouTube!

quinta-feira, 19 de maio de 2016

A Bíblia nos ensina a desobedecer*


*Confesso que o título foi para chamar a atenção. O original era "É lícito desobedecer as leis humanas, quando houver um padrão mais elevado a ser seguido", mas ficaria grande demais. Perdoem minha falta de criatividade.

-------------

Neste blog, procuro abordar os mais diferentes temas, mas alguns acabam sendo ampliados, como é o caso deste pequeno artigo. Em 2013, escrevi sobre A importante diferença entre legalidade, moralidade e licitude. Já em 2014, fui além e comentei sobre que Nem sempre é um pecado desobedecer o governo. E hoje continuarei, demonstrando que o mero seguir das Leis humanas, não pode ser considerado um sinônimo de bom cristianismo.

Se por um lado o interesse na Bíblia é algo excelente e digno de louvor, por outro algumas pessoas têm confundido e entendido errado algumas passagens, como o famoso capítulo treze do livro de Paulo aos crentes em Roma. O famoso trecho invocado é este: "Toda a alma esteja sujeita às potestades superiores; porque não há potestade que não venha de Deus; e as potestades que há foram ordenadas por Deus. Por isso quem resiste à potestade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação" (Rm 13.1-2).

Segundo aqueles que defendem uma obediência total às leis do homens, desde que não firam diretamente a lei de Deus, se existe uma regra de conduta no Código Civil (CC), por exemplo, quando o cristão o desobedece, ele peca. 

Num caso prático, nosso CC assim preconiza: "Art. 1.284. Os frutos caídos de árvore do terreno vizinho pertencem ao dono do solo onde caíram, se este for de propriedade particular." Por essa lógica, de acordo com estas pessoas, se o "dono" da árvore não quiser deixar o vizinho pegar os frutos que caem na propriedade do mesmo (porque o galho se estendeu até lá), estaria pecando, pois o CC diz que "pertencem ao dono do solo onde caíram" e desobedecer isso seria um pecado. Não importa o que aconteceu na construção das casas, no plantio das árvores... Nada importa. Se está escrito é para ser cumprido na literalidade.

Todavia, o erro de tais pessoas é não entender (por não ter estudado Direito ou não estar familiarizado com ele e a Bíblia) que as leis são uma construção social e que visam estruturar a vida em sociedade, buscando (em tese) uma vida pacífica, saudável e segura para todos. Quer dizer, de acordo com tais pessoas, invocando Rm 13.1-2, todos devem se sujeitar aos poderes superiores, porque eles foram investidos de tal honra por Deus e uma vez que eles criam as leis (seja o legislativo ou o judiciário, aqui entendido na forma de que as decisões, as vezes, devem ser cumpridas pelos demais entes e aí adquirem força de lei), as tais devem ser obedecidas.

Quer dizer, não podemos imaginar que todo o crente deve obedecer cegamente as autoridades, pura e simplesmente porque foram ordenadas por Deus, pois quando o apóstolo escreveu isso, certamente não tinha em mente o poder romano como um exemplo a ser seguido e com isso estava dizendo que os crentes em Roma tinham um governo justo e que incentivava o bem. Ora, nos versículos seguintes ele diz: "Porque os magistrados não são terror para as boas obras, mas para as más. Queres tu, pois, não temer a potestade? Faze o bem, e terás louvor dela. Porque ela é ministro de Deus para teu bem. Mas, se fizeres o mal, teme, pois não traz debalde a espada; porque é ministro de Deus, e vingador para castigar o que faz o mal" (Rm 13.3-4).

O governo romano não sabia distinguir o que era bom ou mau, de acordo com a vontade de Deus. Lembremos que Jesus foi morto, porque Barrabás foi solto, o que era uma prática em vigor naquele momento. Isso significa que aqueles romanos estimularam a paz em Jerusalém ou estariam contribuindo para a paz onde os crentes viviam? É claro que não. Assim é que devemos entender: em Romanos, capítulos treze, Paulo dá uma descrição sobre o que o governo deve ser, e não um relato do que o governo era naquela época, pois é fato consumado que ele era muito, mas muito aquém daquilo que deveria ser.

Dito isso, quero ilustrar com um exemplo próprio. Ainda na época da faculdade, um colega me disse que no escritório onde trabalhava, estavam defendendo um homem que tinha contraído financiamento para pagar seu caminhão, mas não estava conseguindo cumprir com o pagamento das parcelas, por uma série de razões econômicas, familiares e coisas da vida. O homem não deixara de pagar por malandragem, e sim que realmente não estava conseguindo. Certo dia, então, o oficial de justiça ligou para o escritório dele e disse que estava próximo do caminhoneiro e que iria pegar o caminhão, pois havia um mandado de busca e apreensão. O advogado, então, pediu um tempo para o oficial, pois o dono do caminhão estava justamente indo fazer uma entrega e o dinheiro recebido seria usado para quitar a dívida. Resultado: o oficial de justiça não apreendeu o caminhão, o homem fez o frete e conseguiu pagar ou quitar parte da dívida (e seguir pagando), podendo continuar a trabalhar.

Lembro-me que à época do relato, fui veemente contra a atitude do oficial de justiça, pois dizia eu que ele não tem que "dar uma segunda chance" para quem está em atraso; quem deve, deve pagar e ponto final, pensava. Porém, passado alguns anos, voltei a analisar o ocorrido e compreendi a boa moralidade que o oficial de justiça teve, ao descumprir a lei (regimento, código de conduta, não importa - uso lei no sentido de obrigação) e permitir que o caminhoneiro conseguisse seguir adiante e depois honrar com sua palavra e efetuar o pagamento devido.

Vejam que pera mera legalidade, o oficial agiu errado. Pela letra fria e sem sentimentos, não se deve ser flexível com coisa alguma, doendo a quem deve sofrer. Mas a Bíblia nos ensina a misericórdia e inclusive nos mostra que as vezes o descumprimento da lei é compreensível, tendo em vista de um bem maior: "Não tendes lido o que fez Davi, quando teve fome, ele e os que com ele estavam? Como entrou na casa de Deus, e comeu os pães da proposição, que não lhe era lícito comer, nem aos que com ele estavam, mas só aos sacerdotes?" (Mt 12.3-4)

Pela Lei de Deus (moral, cívica e sacrificial), Davi violou uma regra do Estado de Israel. No tocante aos sacrifícios, ele não poderia entrar no tabernáculo e comer os pães, nem os que estavam com ele. Notemos, entretanto, as palavras de Jesus ao se referir a este incidente: "Mas, se vós soubésseis o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício, não condenaríeis os inocentes" (Mt 12.7). Cristo não estava defendendo a ideia de que a lei pode ser constantemente violada e que o importante é sempre agir com misericórdia. Urge, no entanto, a necessidade de se entender que a lei literal é um padrão que em determinadas circunstâncias, pode ser desobedecida, para se dar vida a sua finalidade, porque "a misericórdia triunfa do juízo" (Tg 2.13).

Relembremos que toda lei possui um alvo maior, além do que as palavras podem expressar. No caso da árvore que fica em linhas divisórias, a finalidade é a bondade para com o próximo e o repartir daquilo que a natureza dá, sem discussões sobre algo tão pequeno, quando comparado com outras coisas. No caso do oficial de justiça, a finalidade da ação de busca e apreensão é o pagamento da dívida, mas e quando existe uma outra possibilidade no meio do caminho e que brevemente sanará o problema? Por que não desobedecer a lei, a fim de cumprir o justo objetivo dela, ainda que de uma maneira não literal? No caso de Davi, a finalidade dos pães era suprir e nutrir os sacerdotes, mas e se outra pessoa estivesse morrendo de fome, especialmente Davi e seus homens (1Sm 21.6)? Seria lícito deixar um pedinte ir embora, apenas porque pela formalidade da lei, os pães não eram destinados a eles?

Assim sendo, querido leitor e se você for crente, de maneira especial, peço que tenha um pouco mais de humanidade bíblica em seus juízos e não creia que o mero seguir das leis estabelecidas pelos homens, dignifique alguém ou seja um demonstrativo de excelente cristianismo. Seguir a lei de Deus e as leis dos homens é muito mais do que cumprir, muitas vezes, uma literalidade.

Que Deus os abençoe.

quinta-feira, 12 de maio de 2016

10 coisas que aprendi em 10 anos de relacionamento



Dia dez deste mês de maio, completei dez anos de relacionamento com minha esposa. Quase sete anos de casamento e mais três de namoro. Sei que não é uma eternidade, mas numa época em que os votos valem muito pouco, estou muito feliz pelo acontecimento! E por isso gostaria de compartilhar algumas que aprendi durante este tempo.

1. As pessoas sempre encontraram uma desculpa para seus fracassos.

Lembro-me do início do relacionamento, quando as pessoas me perguntavam se brigávamos muito e eu respondia que "não". A contra resposta era sempre a mesma: "isso é porque vocês começaram a pouco tempo". Passaram os três anos de namoro e agora eles diziam: "é porque vocês ainda não casaram". Casamos, um, dois anos de convivência e o argumento deles era: "no começo do casamento é assim, esperem mais um pouco...". Quer dizer, parece que se nós não brigássemos muito, algo estava errado!

Isto me ensinou que as experiências alheias são muito, mas muito importantes, mas não devem ser uma regra. E não devemos procurar nos desculpar, somente porque os outros cometem erros. Conversemos, sejamos parceiros e evitemos problemas, ainda que eles sejam comuns.

2. Somente um relacionamento totalmente transparente, pode durar e ser eficaz.

Não lembro se li, ouvi ou recebi de alguém este ensinamento, mas como casal, ainda na época do namoro, sempre procuramos ser o mais sincero possível com o outro. Sim, isso inclui contar aqueles pecados em quem incorremos mais vezes, as dificuldades com a vida, algumas vontades obscuras e também os sonhos e desejos para o porvir. Não deve haver segredos. E é claro que isso não significa dizer tudo o que se passa na mente de cada um (ambos sairiam correndo, não é mesmo?), e sim compartilhar, a fim de ser ajudado e poder ajudar.

Isto me ensinou que se não soubermos quais são as fraquezas do outro, além de projetarmos um relacionamento irreal, tenderemos ao desânimo, pois acreditaremosmos que o cônjuge é alguém que, na verdade, nunca foi e jamais será.

3. Brigas e discussões fortalecem o relacionamento.

Se comecei falando que não brigamos muitos, não significa que nunca tenhamos discutido. Aliás, descobri que as intrigas, muito embora sejam um obstáculo para amar o próximo naquele exato momento, ao longo do tempo, quando são tratadas e o vínculo estabelecido outra vez, trazem maior união e fortalecem o casal. Não estou incentivando a discussão, e sim o que se deve fazer com este problema. O silêncio e o "deixar passar", quase nunca funcionam bem. Falhamos, sim, mas procuramos resolver as pendências o quanto antes, a fim de termos paz conosco mesmos e também para o próximo; para termos sossego ao deitarmos na cama, cientes de que não devemos perdão ou mais amor a quem está ao lado.

Isto me ensinou que toda dificuldade pode ser revertida em benefício, bastando o casal estar unido no mesmo propósito.

4. Se algo dá errado, a primeira culpa é do homem.

O homem deve ser, bondosamente, o cabeça do lar. Quer dizer, deve guiar em harmonia, paz e ordem os seus, a fim de que tudo lhes vá. Portanto, a conta é simples: se algo dá errado, uma discussão vira briga e desencadeia para coisas piores, a culpa é do homem. Aqui, considero válido o provérbio popular: quando um não quer, dois não brigam. Se o homem quer colocar a culpa na esposa porque ela "fala demais", que ele seja macho o suficiente para se controlar e contornar a situação. O homem de verdade não é o que "explode" nas situações, mas age com calma e compaixão, visando o futuro do relacionamento, sempre.

Isto me ensinou a tentar ser sereno e paciente, mesmo quando minha vontade é outra. Graças a Deus minha esposa não é uma pessoa explosiva e isso ajuda muito, mas não invalida a necessidade de se auto controlar, a fim de tentar resolver a situação. Aprendi que tenho muito a aprender, a fim de buscar um maior auto controle.

5. Minha esposa, minha melhor amiga.

Nestes dez anos, ninguém ouviu mais ou soube mais da minha vida do que ela. É para ela que eu corro, muitas vezes, quando estou aflito. Ela me conhece e eu a conheço - sabemos quando o outro não está bem. É verdade que eu tenho meus amigos homens, mas quem vive comigo é minha esposa e por isso ela deve ser a pessoa mais especial para mim. Se eu não conseguir a enxergar como alguém para as alegrias e tristezas da vida, então algo está errado e precisamos resolver isso.

Isto me ensinou a procurar o cultivo da boa convivência e interdependência, a fim de que possamos enxergar no outro, mais do que um companheiro ou alguém a quem devemos lealdade, mas como um complemento; alguém para ajudar quando caímos ou para nos alegrar ainda mais nos momentos de júbilo.

6. Nunca fale mal de seu cônjuge em público ou para outra pessoa.

Certa vez ouvi de alguém algo que procurei levar a sério e até agora, ao menos, tem dado certo: nunca depreciar minha esposa em público. Não importa se a comida tenha ficado ruim ou a camisa não esteja tão bem passada desta vez - estas coisas não interessam aos de fora e muito menos devem ser ditas em tom de crítica pesada, como que buscando rebaixar o cônjuge. Se minha esposa ouve alguém falando mal do seu marido, como já aconteceu, ela não continua a conversa e fica falando dos meus "podres" (ela mesmo me disse isso), pois a não ser que o intuito seja se solidarizar com a pessoa, a fim de mostrar de que o seu cônjuge tem coisas semelhantes a melhorar, não faz o menor sentido a mera crítica, uma vez que só demonstra a infidelidade, porque em vez de prezar pela união, trata o cônjuge com desrespeito.

Isto me ensinou a valorizar minha esposa pelo que ela é; a vê-la como minha aliada e não como uma oposta a mim. Aprendi que devo ajudar meus amigos em dificuldade com suas esposas, mas que jamais devo "colocar lenha na fogueira", tornando a conversa uma roda de fofoca e maledicência. 

7. Valorize seus sogros e os trate como pais

No começo de nosso relacionamento, iniciando o namoro, meu sogro simplesmente não gostava de mim. E não podia ser para menos: a primeira vez que apareci a ele, foi vestindo roupas de heavy metal e em uma reunião da família dele. O que esperar de alguém com descendência alemã e na casa dos 64 anos, ao ver um jovem rebelde de 17 anos querer namorar sua única filha, à época com 23? É claro que foi vacilo meu. Mas pela graça de Deus, o tempo passou e nos tornamos bons amigos. Já antes do casamento as coisas estavam resolvidas e ele além de dar todo o apoio, ajudou nos custos da festa e até hoje faz o que pode para nos ver bem.

Isto me ensinou que a união familiar vai além de trazer o cônjuge para dentro de sua família. Deve-se ter o cuidado sobre como você será visto na nova família e que seus sogros sempre estarão por perto ou no mínimo, se forem pais responsáveis, gostarão de saber se tudo vai bem com seu(ua) filho(a) e se a relação com eles não for boa, acredite: sua vida terá sérios problemas.

8. Guarde algum dinheiro o mais rápido possível

Nunca tivemos grandes somas de dinheiro guardadas, até porque nunca ganhamos altos salários. Nunca tivemos tudo, embora tenhamos ganho e recebido muita ajuda daqueles que nos amam. Mas mesmo com salários baixos, procuramos, ainda hoje, manter uma pequena reserva, para o dia da adversidade. Situações difíceis acontecem: é preciso comprar remédios, coisas que começam a quebrar e não é uma escolha sábia gastar tudo o que se ganha e ficar com uma dívida impagável, sabendo que ela só impagável, porque você foi negligente, certo? E aqui também fica uma sugestão aos que vão casar: em vez de gastar dez, vinte, trinta mil reais na festa de casamento, que tal convidar menos pessoas ou fazer algo um pouco mais simples, a fim de guardar este dinheiro? Pode ser que um dia, ao longo do casamento, uma quantia dessas seja a solução para um grande problema.

Isto me ensinou a dialogar com minha esposa e em especial, ouvir os seus conselhos sobre quando não deveríamos comprar determinada coisa. Aprendi que o futuro se projeta agora e para isso é preciso manter uma mentalidade que poupa e investe naquilo que é essencial. Sim, diversão e algumas frivolidades são essenciais na vida, mas de nada adianta querer comprar, se não há dinheiro para isso. Preferimos viver com menos, mas sossegados, do que ostentar e nos preocupar sobre o pagamento das contas.

9. Entenda como seu cônjuge se sente amado e o trate desta forma.

Cada pessoa demonstra seu amor e gosta de ser amada de uma forma diferente. Quando conheci minha esposa, achava que ela gostava, acima de tudo, de ganhar presentes. Então eu dedicava quase todo o meu salário de solteiro em presentes para ela. Lembro-me que ganhava muito pouco no início do namoro e comprometi dois meses de salário, a fim de dar a ela um tênis bem bacana. Todavia, depois de algum tempo, fiquei sabendo que ela gostava daquilo que chamam de "tempo de qualidade" ou simplesmente que saíssemos para passear, conversar e estar juntos. Não precisava sempre de um presente, como eu imaginava. Bingo (e economia0. A partir daí, além de não ficar gastando todo o dinheiro, passei a entender como ela gosta de ser amada e ela também o mesmo para comigo. Isso evitou investir em coisas que não dão retorno e também em conseguir fazer o outro mais feliz.

Isto me ensinou a buscar o conhecimento de quem minha esposa é e em como posso a fazer feliz. As vezes não é uma grande presente ou uma magnífica viagem que vai trazer a máxima alegria, mas um filme a sós ou um dia inteiro passeando pelo parque. Aprendi que muitas vezes podemos despender tempo e dinheiro no lugar errado, não colhendo os frutos que havíamos imaginado e começando a achar que o relacionamento não está bem, quando o problema é a forma sobre como os cônjuges estão se entendendo.

10. Filhos são bênção de Deus e isso deve ser incentivado com amor.

Quando nos conhecemos, nenhum de nós queria ter filhos. Hoje, olhando para esta mentalidade, entendo não ser apropriada, pois a Bíblia é clara sobre ter filhos e em como eles são bênçãos para nós. Seja como for, o fato é que não visualizávamos uma criança em nosso meio. Mas Deus tem seus caminhos e no tempo certo nos mostrou um meio mais excelente de pensar, de modo que depois de dois anos com esta mentalidade renovada, nasceu o Nathan (hoje com um ano e dois meses). Somos muitos felizes com ele, ainda que como absolutamente tudo na vida, dê trabalho, correria e algum stress de vez em quando.

Isto me ensinou sobre a importância de ensinar os solteiros sobre um dos propósitos do casamento e em como os cônjuges devem sem francos um com o outro sobre este assunto. O que vai ser de um casal onde um quer ter filhos e outro se nega constantemente? Como poderá haver harmonia no lar, quando ambos não desejam o mesmo caminho, ao menos em algo tão importante? Assim, aprendi que o quanto antes entendermos a bênção de ter filhos, melhor buscaremos nos preparar e com mais amor trataremos deste assunto.

Que Deus nos abençoe, conceda muitos anos de casamento para nós e também leve você, leitor, a ser edificado, de alguma forma, com este texto.

Compartilhe

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

pop-up LIKE

Plugin