"Eu me confesso ser do número daqueles que, aprendendo, escrevem; e escrevendo aprendem" - Agostinho

Se inscreva no meu canal do YouTube!

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

5 coisas que eu gostaria de saber antes de me casar


Os primeiros seis meses do meu casamento foram alguns dos meses da minha vida em que mais abri meus olhos. Até aquele momento eu pensava que ser uma esposa e uma auxiliadora era uma coisa fácil. Eu me sentia totalmente preparada para o meu papel como esposa.

Grande ilusão.

Depois de seis meses de casamento eu percebi o quão totalmente despreparada eu estava em determinadas áreas. Para ser honesta, havia cinco coisas que eu gostaria de ter sabido antes de me casar. Se você é uma garota solteira e está esperando se casar algum dia, este conselho é para você.

1. Seu relacionamento com Deus é a CHAVE para ser uma esposa feliz.

Eu tinha uma relação boa com Deus enquanto garota solteira. Eu tentei ler a Bíblia e orar diariamente, mas eu não era muito consistente. Alguém se identifica? Como resultado, os meus primeiros meses de casamento foram os mais emocionais para mim.

Naquela época, eu estava olhando para o meu novo marido como minha segurança e preenchimento em vez de Deus.

Eu queria que Zack me fizesse feliz, contente e segura – o tempo todo. Como resultado, eu me tornei uma montanha russa emocional.

Não me tornei uma esposa alegre e feliz até que eu fosse consistente em meu tempo de leitura da Bíblia e oração. Eu aprendi que eu só seria “feliz e contente” se eu estivesse na Palavra de Deus. Quando me firmei na verdade de Deus, me tornei uma esposa muito mais feliz.

2. A “atitude independente” destrói a unidade.

Nossa cultura diz que ser independente de sua mãe, pai, família e futuro marido é uma coisa ótima.
Se tem uma coisa que eu aprendi durante os meus primeiros seis meses de casamento foi isto: independência destrói a unidade.

Deus nos deu um padrão de como os casamentos devem funcionar e é tipo assim: o marido é o líder da casa e a esposa é o braço direito. O marido dá a sua vida por sua esposa e a esposa mostra respeito ao seu marido (Efésios 5:22-33).

Uma das maiores coisas que uma mulher pode fazer para ajudar a sua família a ter sucesso é ter uma visão de família como um time, em vez de ter um espírito independente. Zack contou-me que estar com ele tendo uma mentalidade de família como um time foi a maior bênção que eu poderia lhe dar.

Comece agora servindo a sua família e desenvolvendo uma mentalidade de família como um time.

3. Boa comunicação vai te salvar de horas de luta.

Eu pensava que era uma grande comunicadora… até que me casei . Meus primeiros meses de casamento rapidamente revelaram alguns hábitos pouco atraentes no meu coração.

Quando você fica irritada com algo você é o tipo de garota que se cala ou explode? Você prefere o tratamento silencioso ou o tratamento do grito? Para mim, era o tratamento do silêncio. Eu era uma comunicadora horrível por causa disso e nosso casamento sofreu muitas horas desnecessárias de lutas como resultado.

Seja você uma garota calada ou que explode, eu não posso incentivá-la o suficiente para trabalhar em suas habilidades de comunicação agora. Os padrões que você definir agora para resolver problemas e trabalhar através do conflito irão segui-la em seu casamento.

4. Habilidades práticas serão uma grande bênção para sua família.

Antes de me casar eu sabia como limpar uma casa, lavar roupa, e cozinhar uma refeição básica, mas minhas habilidades eram limitadas. Como uma garota solteira, eu não fiz esforços para avançar em minhas habilidades domésticas. Como resultado, a minha curva de aprendizagem foi muito mais difícil quando eu me tornei a gerente da minha própria casa.

Se você deseja honrar a Deus como uma esposa e gerente da sua casa um dia, então você precisa educar-se sobre o que isso implica. Assuma fazer a refeição para sua mãe por um mês e se force a aprender a fazer as compras do mês. Defina um orçamento para si mesma e só gaste o que você tem permissão, em seguida, prepare todos os jantares da família por uma semana.

Além disso, aprenda com sua mãe (ou uma mulher piedosa) sobre como limpar a casa, lavar roupas, passar ferro, pagar contas, cuidar do jardim, cuidar de bebês, trocar fraldas, etc. Essas habilidades práticas vão ser um grande trunfo para o seu marido e futura família.

5. Aprender disciplina financeira é importante

Segundo os pesquisadores, a maioria dos divórcios são acionados por causa de questões de dinheiro. Quando eu era solteira, eu trabalhei em tempo integral por alguns anos e ganhei muito dinheiro. Eu não fiz um orçamento e livremente comprei tudo o que eu queria. Eu não era disciplinada em meus hábitos.

O casamento foi um despertar chocante para mim. Aconteceu de eu casar com um consultor financeiro que me colocou em um orçamento rigoroso no dia em que voltamos de nossa lua de mel. Eu quase entrei em choque durante os primeiros seis meses de casamento por causa disso. Meus maus hábitos estavam colidindo com a realidade.

Felizmente, eu tenho dado valor a ter um orçamento e poupar dinheiro. Eu não posso exortá-la o suficiente para evitar o ganho de dívida agora e em seu futuro. Se você fizer isso, você vai evitar problemas ENORMES de dinheiro em seu futuro casamento. Coloque-se em um orçamento e cumpra-o. Saiba como se tornar financeiramente responsável.

Então, aí está!

Cinco coisas que eu gostaria de saber antes de me casar. Se eu pudesse voltar no tempo, gostaria de trabalhar diligentemente em cada uma dessas áreas. Quanto mais tempo você gasta se preparando para o casamento agora, melhor seu casamento vai ser no futuro. E mesmo que o casamento não esteja no plano de Deus para você, essas habilidades ainda virão a calhar!

Convido você a levar essas cinco dicas a sério e começar a trabalha-las hoje.

- por Kristen Clark

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Seu amigo tem uma esposa? Veja a nudez dela! Ou não!


Suponha que uma noite um vizinho bata na porta de um cristão e diga: 

-"Gostaríamos de fazer um convite a vocês esta noite..."

-" Oh, muito obrigado!", ele responde, sem suspeitar do que se trata.

-" Calma, calma, deixe-me terminar de dizer. Gostaríamos de convidar vocês para entrar em nosso quarto e nos assistir enquanto fazemos sexo. Isso pode ser algo realmente excitante para todos nós".

O cristão recusa horrorizado:

-"Não podemos! Você sabe, somos cristãos".

-"Ah, claro", responde balançando a cabeça. "Isso poderia ser um pouco demais pra vocês. Então, vamos fazer o seguinte: Nós temos uma câmera de vídeo. Por que não gravamos tudo, e eu trago aqui pela manhã? Então vocês podem assistir quando quiserem".

O cristão explica que isso também não seria possível.

-"Não estou entendendo", diz o vizinho, com um olhar perturbado. "Semana passada vocês nos convidaram para a casa de vocês e nos sentamos todos para assistir a um filme na tevê. Nele havia umas poucas cenas de nudez. Por que você está disposto a assistir a mulher de outro homem, mas não a minha? Minha esposa pode não ser uma miss, porém..."

Aqui o pobre cristão interrompe e explica que a aparência da mulher do vizinho não tem nada haver com a recusa. E passa a explicar que não são cristãos comuns. Eles pertencem a um grupo muito especial - o dos hipócritas.

Hipocrisia é uma palavra muito forte? Penso que não. Muitos cristãos estão disposto a assistir, por meio de uma câmera cinematográfica, aquilo que jamais sonhariam ver em pessoa. Não entrariam num bar onde há garotas com seios á mostra, mas assistem alegremente a filme nos quais há muito mais.

Estaria a maioria dos homens cristãos disposta a dar voltas pela vizinhança, observando as mulheres na janela? Certamente não. Mas, e se descobrissem uma mulher que tenha percebido a presença deles e esteja disposta a se despir em frente à janela? Isso seria pior ainda. E se ela estivesse ganhando muito dinheiro, tivesse um produtor e diretor, e fizesse tudo isso para as câmeras, com milhões de homens vendo-a pela janela e desejando-a? Isso seria absurdamente diferente, tornando a questão muito "complexa ", não é mesmo?

Alguns tentam relevar esse tipo de comportamento com base nos padrões contemporâneos. Os cristãos não querem ser diferentes naquilo que assistem. Não querem admitir que seus discipulados se aplicam nessa área. E também não querem admitir que a atividade sexual e nudez na tela é para eles sexualmente excitante.

Mas aqueles que negam que tais coisas têm efeito sobre eles estão simplesmente enganando a si mesmo. Não há como assistir - por diversão - cenas sexuais e exposição de nudez sem ser de alguma maneira afetado negativamente. Mas existem homens que negam que tá as coisas os afetem. Tal negação parte de dois tipos de homens. No primeiro grupo estão os mentirosos. Eles estão mentindo para si mesmos ou para os outros, e muito provavelmente nos dois casos. O homem é excitado ou despertado sexualmente por aquilo que vê, mas como cristão, sabe que não é socialmente aceitável dizer isso. Então vai ao cinema com seus amigos cristãos, e fala desse modo: "O filme foi realmente muito bom. Foi lamentável ter tido aquela cena". Mas em seu coração, aquela única cena foi a guloseima que ele engoliu. 

Há outro tipo de homem que nega que isso o afete, e está dizendo a verdade. Mas por que aquilo não o desperta sexualmente? Porque seu coração está endurecido,r sua consciência cauterizada: "Todas as coisas são puras para os puros; todavia, para os impuros e descrentes, nada é puro. Porque tanto a mente como a consciência deles estão corrompidas" (Tt: 1:15). Este sujeito tem a consciência tão insensível que seria necessário muito mais do que aquilo para mexer com ele. 

Mas o coração pode ser muito enganoso. Há um terceiro modo de pecar neste tipo de coisa. Essa reação reconhece o impacto que tais conteúdos têm, e tenta fazer uso dele. As pessoas, mesmo cristãs, frequentemente justificam o ato de ver ou ler materiais imorais dizendo que isso os ajuda na vida sexual do lar: "Não importa de onde veio o seu apetite, contanto que você coma em casa." Essa abordagem ao menos tem a virtude de ser honesta. Ela admite que material sexualmente explícito é sexualmente excitante. Mas essa abordagem é terrivelmente falha. 

[...] a bíblia diz expressamente aos homens onde a satisfação e a excitação devem estar. Somente em sua própria esposa. [...] Outras mulheres, sejam em filmes, livros, ou revistas, não devem ser fonte de estímulo.  [...] A introdução de outros em um relacionamento sexual (estejam eles em duas dimensões ou não) é somente fonte de frustração a longo prazo. Isso porque é inevitável surgirem comparações, e tais comparações são destrutivas em um relacionamento pactual piedoso.

- por Douglas Wilson
Fonte: Reformando o casamento, Ed. CLIRE, págs. 117-119 | Adquira o livro neste link.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

O que diabos aconteceu com a GERAÇÃO Y?!

Veja como o nosso ambiente de trabalho é divertido. Te pagaremos mal e não respeitaremos a sua hora de almoço. Hora-extra? Nem pensar! Whatsapp depois do trabalho? Com certeza, afinal de contas, você ainda não tem filhos! Ah, mas te daremos kit kat e café expresso de graça!

Um texto sobre liberdade, responsabilidades e as misérias de uma geração que está se perdendo no meio do caminho.

Na semana passada eu ouvi de um garoto, ainda na faculdade, o seguinte depoimento:

“Seu texto sobre a subserviência das empresas em relação ao cliente deveria ser pregado na porta de entrada de todas as empresas do país, nas salas de reuniões e ser repetido como mantra em palestras de empreendedorismo para todos os empresários do Brasil. As agências de publicidade, especificamente, estão atingindo um nível de servidão pior do que pastelaria.

Na pastelaria ninguém fica acelerando o pasteleiro. Ninguém manda e-mail para o pasteleiro mandando ele entregar o pastel na mesa dele até as 9h da manhã. Para o pasteleiro, quanto mais horas ele trabalhar, mais ele vai ganhar. Falar em hora extra em publicidade só vai fazer as pessoas rirem. Enfim, desculpa o desabafo”.

Somos uma geração de bobos que se acha esperta. Nossos pais davam duro, saiam de casa cedo, trabalhavam como doidos, indo e vindo do centro da cidade, em cartórios, lotéricas e visitas bancárias, muitas vezes em carros sem ar-condicionado, mas ganhavam bem o suficiente para sustentarem uma família com três filhos, carro, cachorro e ainda levavam todos para comerem churrasco aos domingos.

A geração de hoje se deixa enganar pela falsa sensação de divertimento, que nunca tem fim. Transformaram o ambiente de trabalho em um circo, para que você ouça: “Ei, mas aqui é divertido! Dane-se se não te pagamos horas-extra ou se te colocamos para trabalhar por toda a madrugada em troca de pizza. Aqui você pode trabalhar com boné!”.

Quando nossos pais estavam em casa, eles estavam em casa mesmo! Dane-se que o trabalho tinha sido duro, após as 18:00 eles sentavam naquele sofá da Mesbla, abriam a primeira Antártica da noite e era a hora do futebol. Qual foi a última vez que você esteve realmente desconectado do seu trabalho? Você tenta se convencer de que aquele Whatsapp do cliente às 00:00 não é nada demais, que é coisa pequena, que “pega mal” não responder. E aquele inbox no Facebook às 1:35 da manhã? “Ah, eu já estou aqui mesmo, né. Agora ele já viu que eu visualizei…”.

Provavelmente você caiu no mito do home-office libertador, que te faz perceber, anos depois, que ele só foi capaz de te “libertar” do horário comercial. “Ah, mas você trabalha em casa!” — pronto, é sinal de que receberá demandas ou mensagens a qualquer hora da madrugada.

Provavelmente você ainda não se ligou, mas você produz dezenas de vezes a mais do que o seu pai ou os seus tios conseguiam. Antes, para atender um cliente, você precisava ir na loja ou na casa dele, lá na [censurei]. Hoje? Skype. Antes, era FAX ou mandar documentos pelos correios. Hoje? E-mail. Antes, você estava limitado à sua cidade. Hoje? Internet, meu filho!

Entretanto, quanto é que você está ganhando? Acorde para a vida! Agências com mesa de sinuca, totó, chocolates à vontade, cafezinho expresso, pula-pula e vídeo-games significam apenas que você está pagando por tudo aquilo e que o seu salário, ao final do mês, sentirá a pancada.

“Tudo bem, porque eu amo o que eu faço!”.

Na semana retrasada eu ouvi isso. Estava contratando os serviços de uma START-UP de tecnologia para um dos meus negócios e havia esquecido de perguntar alguma coisa. Já eram 23:00 horas. Fui ao Skype, me certifiquei de que a menina do suporte estava OFFLINE e deixei uma mensagem. Poderia ter feito isso pelo Facebook, mas eu sabia que iria apitar lá na casa dela e não queria esse tipo de coisa, ainda mais naquele horário. Enfim, enviei a mensagem e deixei escrito: “Só me responda quando chegar ao escritório!”.

Faltando quinze minutos para uma da manhã, a menina me responde, pelo Facebook. Eu digo: “O que você está fazendo aqui? Te deixei uma mensagem no Skype! Vá dormir, namorar ou assistir aquelas séries no Netflix!” e ela me disse: “Ah, é que eu entrei no meu skype só para ver se estava tudo bem com os clientes. Vi a sua mensagem e retornei. Não custa nada, nem se preocupe. Eu amo o que faço. Rs”.

Eu amo o que faço…erre esse. À uma da manhã de terça feira. Com o teu chefe te pagando, provavelmente, entre dois mil e quinhentos a três mil reais para isso…e somos nós quem somos a geração dos “desapegados, que querem viver a vida”.

Estamos nos tornando uma geração de trintões cujas preocupações são os próximos shows do Artic Monkeys, a cerveja gourmet da moda e a próxima temporada de House of Cards. Uma geração sem filhos, que foge das responsabilidades, se iludindo com a ideia de que o seu chefe é seu amigo e que por isso você “quebra alguns galhos para ele”.

Ouvimos de todo tipo de especialista, que somos a geração livre por excelência, que preza pela mobilidade e pela qualidade no ambiente de trabalho, mas de alguma forma nós erramos o caminho e nos tornamos aquele tipo de gente que fica conversando com o cliente às 20:00 horas, enquanto janta com a mulher. E nos achamos o máximo, quando batemos o pé: “Ai, que saco, o meu chefe não me deixa em paz!”. Que corajoso!


O resultado? Uma nação de escravos!


Olhávamos para nossos pais e avós e pensávamos que eles eram escravos da própria família. Que haviam tido muitos filhos e que isso, de alguma forma, os prendeu em uma vida cheia de amarras e limitações, mas, hoje, advinha só? Da sua idade ele já tinha casa própria e carro na garagem. E você? Figuras de ação do Mega-Man.

Em algum ponto entre o final da faculdade e o começo da vida adulta, nós perdemos a mão. Não estamos estabelecendo relações saudáveis de empregador e empregado, mas um misto de coleguismo com parceria e com prováveis projetos que poderão mudar o mundo, mas que não ajudam a pagar o aluguel.

Ah, mas você não é empregado? Tem o seu próprio negócio? É um empreendedor em início de carreira? As notícias também não são muito boas…

Você também é um escravo!


Com a popularização da tecnologia e da conectividade, os super-heróis deixaram de ser os esportistas e os homens engravatados de Wall-Street e passaram a ser os empreendedores do vale do silício. Aquele tipo de pessoa que usa camiseta sempre da mesma cor, tênis, vai trabalhar de bicicleta e mantém uma dieta ecologicamente adequada. [...]

Com isso, surgiu a cultura da motivação constante e da satisfação do cliente a qualquer custo. Não importa o que aconteça, a experiência do seu cliente deve sempre ser a melhor possível; ainda que ele seja um babaca!

Eu posso te falar uma coisa? Nem sempre o seu cliente tem razão. Nem sempre ele sabe o que é o melhor para o negócio dele e nem sempre aquele “logo dourado com bordas vermelhas, estilo a da propagada da mortadela Seara” é a melhor opção. O problema é que dizer isso na cara dele agora se tornou um crime! Não é proativo e engajado discutir com o cliente, ainda que ele esteja escandalosamente errado!

A cultura desses caras, importada para cá de uma maneira incompatível com a nossa realidade, diz que devemos buscar a composição sempre, fazermos reuniões intermináveis até que todos estejam satisfeitos e sorridentes. Dar pesos e medidas iguais aos especialistas e aos curiosos. O que acontece? Tentar extrair o dente do paciente com uma colher de pau.

Estamos na décima sétima alteração e o contrato diz que só faríamos até cinco? Sem problemas! A satisfação do cliente em primeiro lugar! Ele acha que não precisa fazer um contrato com você? Sem problemas, lá fora muita gente deixa isso para lá! O que? Agora ele não está te pagando? Cuidado! Não o cobre de maneira que possa parecer ofensiva! Não é isso que a Amazon faria!

Você está preso em uma camisa de força verbal.


A camisa de força verbal é um dos institutos comportamentais que mais causa dano à mente e à consciência de qualquer pessoa. No empreendedorismo, 90% dos profissionais sofrem desse tipo de mal.

A maior libertação, para qualquer proprietário, é quando este alcança certo grau de autonomia, que pode chamar a atenção do seu cliente e fazê-lo perceber que aquilo é para o seu próprio bem. Que, identificando o erro, ele está é justificando o seu dinheiro, ao dizer que ele está fazendo merd*.

Aqui no Brasil, a educação ganhou status de religião. A mãe que paga a escola não quer ver seu filho criticado, afinal de contas, o boleto é caro. Do mesmo modo, o cliente chato — e insistente — não quer ser repreendido; ganha-se o mantra do “o cliente sempre tem razão”, em desfavor da alma do próprio empresário.

Vá à Itália e peça a comida do jeito que você quiser e ouvirá, imediatamente, um sonoro: “Não. Vá comer em outro canto”. Isso para o brasileiro é criminoso. Faz com que ele se insurja, contando aos amigos: “Acredita que eu pedi para fazer o macarrão mais mole e me disseram que não dava? Que ignorantes!”. Ele não enxerga que ele mesmo é que é o pé no saco. Que não respeita nada nem ninguém. Vê no empreendedor alguém que deve servi-lo, independentemente de quão imbecil e sem propósito sejam os seus desejos.

O brasileiro de hoje está acostumado ao mando, porque paga. O código de defesa do consumidor criou um monstro, que custa a saúde emocional e física de milhões de empreendedores. O meu maior conselho a vocês, é: construa uma empresa que você possa mandar o cliente indesejado [censurei]. Faça isso ou adoeça.

Entretanto, no mundo de arco-íris e pôneis da geração Y, que é feita de vidro, isso é ser rude, preconceituoso, antiquado, grosseirão. Às custas da própria saúde e do caixa da empresa, ele manterá aquele cliente chato, pentelho, arrogante e que — muitas vezes — nem te paga. É isso ou você não estará seguindo “o manual da cordialidade do Facebook”.

A conclusão? Não sei.


Da geração que iria mudar a maneira com que o mundo se relaciona a um bando de bebês de meia idade, que mora de aluguel e que o ponto alto do ano é o lançamento de mais um filme da guerra nas estrelas.

Gente que ama a liberdade, mas que está presa a um computador. Do tipo que está na décima quarta START-UP, sempre atrás daquele round de investimento que o tornará milionário. A menina que tem vergonha de dizer que é vendedora e que se apresenta como “líder-team da equipe de vendas” e do blogueiro que é articulista e CEO no perfil do Facebook.

Aonde é que fomos parar? O que é que aconteceu com a GERAÇÃO Y? Assim como o garoto do começo do texto: desculpem o desabafo.

- por Ícaro de Carvalho
Fonte: Medium

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Mulheres - Deus não quer sua virgindade!


Você é virgem? Considera a virgindade um “tesouro precioso” e está comprometida em guarda-lo a sete chaves até o casamento? É do tipo que não dá ouvidos às pressões das amigas descoladas e, não importa o quanto te rotulem, está decidida a manter o padrão bíblico de pureza sexual? Se sua resposta foi afirmativa para qualquer destas perguntas, deve estar tão assustada quanto eu mesma fiquei ao ler a afirmação que dá o título a este artigo.

Fui surpreendida com essa chamada na linha do tempo de uma amiga meses atrás. Pronto, confessei!… o título não é fruto de minha originalidade nem do lado polêmico que pulsa dentro de mim. Tomei-o emprestado – razão de estar entre aspas. Quando li este título, conhecendo bem o perfil da autora original e sabendo de suas lutas que como conselheira cristã de jovens e adolescentes, já imaginei o que ela tinha em mente. Resumidamente, minha amiga escreveu sobre sua indignação diante dos discursos sobre virgindade que não são acompanhados por uma vida de pureza sexual como nos orienta a Palavra de Deus. Um trecho do que ela escreveu:

Uma questão em particular tem pesado em meu coração: as pessoas estão usando anel, fazendo votos de castidade e mais outras promessas para Deus que garantem ‘virgindade’ até o casamento! Lindo, se não fosse trágico! O problema é que estão prometendo apenas o hímen e não a pureza e santidade que Deus exige! [1]

E então volto com a primeira pergunta que te fiz: você é virgem? Se sua resposta é “Sim, eu sou virgem!”, vamos pensar juntas o que isso quer dizer e o quanto você está – ou não – glorificando a Deus com sua virgindade.

Se você é virgem mas não perde a oportunidade de se oferecer aos garotos, seja pelas roupas que usa – mostrando mais pele do que deve ou destacando “todas” as suas curvas – seja pelo seu “jeitinho manhoso” de falar, pelo modo como você olha ou pelos selfies provocantes que você compartilha… devo te alertar: Deus não está interessado nesse tipo de virgindade.

Se você é virgem no mundo real mas descobriu na privacidade do mundo virtual – chats, pornografia, jogos eróticos,… – a alternativa para saciar seu apetite sexual, sem correr o risco de ser descoberta… cuidado: você não entendeu que para Deus, nesse momento, sua virgindade não tem valor algum.

Se você é virgem, está namorando um garoto que também é cristão, pretende se casar com ele e até fizeram um pacto de pureza, mas juntos perceberam que não é tão fácil assim manter o placar em 0 x 0 e, aos poucos, foram descobrindo que carícias mais ousadas e conversas mais picantes poderiam deixar o namoro mais interessante… e desde então vale “quase tudo” quando vocês ficam sozinhos… lamento: você “quase” entendeu como glorificar a Deus com sua virgindade, mas não entendeu.

Se você é virgem, tímida, nunca fez mal uso da internet, não tem um namorado, é romântica e sonhadora, fica imaginando o dia em que o “príncipe” virá ao seu encontro e vocês serão felizes para sempre… ops, o que eu disse? “sonhadora”?… Talvez tão sonhadora que já não consiga mais controlar as próprias fantasias. E, no mundo das fantasias, mesmo as mais tímidas e românticas, nem sempre são tão puras e certinhas. Qual é o conteúdo dos seus pensamentos nesta vida paralela? Você “ainda é virgem” em suas fantasias? Não se iluda… porém, saiba Deus está mais interessado em restaurar a pureza da sua mente, do que em ouvir de sua boca uma promessa de castidade.

Espero, sinceramente, que você não se identifique com nenhum destes perfis. Mas não os ignore; eles são reais e demonstram como as armadilhas de Satanás podem nos enganar e desviar nossa atenção do que realmente importa para o nosso Deus. Também não estou diminuindo o valor da virgindade, pois ela é parte fundamental no plano divino para o casamento. Só estou dizendo que virgindade e pureza sexual precisam andar juntas; uma não tem sentido sem a outra. Paulo deixou isso muito claro quando escreveu:

Quanto ao mais, irmãos, já os instruímos acerca de como viver a fim de agradar a Deus e, de fato, assim vocês estão procedendo. Agora lhes pedimos e exortamos no Senhor Jesus que cresçam nisso cada vez mais. […] A vontade de Deus é que vocês sejam santificados: abstenham-se da imoralidade sexual. Cada um saiba controlar o próprio corpo de maneira santa e honrosa, não com a paixão de desejo desenfreado, como os pagãos que desconhecem a Deus. Neste assunto, ninguém prejudique a seu irmão nem dele se aproveite. O Senhor castigará todas essas práticas, como já lhes dissemos e asseguramos. Porque Deus não nos chamou para a impureza, mas para a santidade. Portanto, aquele que rejeita estas coisas não está rejeitando o homem, mas a Deus, que lhes dá o seu Espírito Santo. (1Ts 4.1, 3-8)

Paulo não gastou tempo fazendo uma lista do que ele chama de “imoralidade”, mas entendemos perfeitamente o que ele disse. Não devemos nos envolver em quaisquer tipos de práticas ou pensamentos que despertem desejos sexuais – em nós ou nos outros – que não nos seja permitido satisfazer fora do casamento. Isso é muito mais do que desfilar por aí com uma camiseta de campanha, ou exibir um anel de compromisso, ou postar discursos impactantes em redes sociais. Pureza sexual é mostradas por uma vida de desejos controlados, inclusive quando não há ninguém por perto e até onde o acesso é restrito, como por exemplo o campo dos pensamentos.

Estou ciente de que vencer os apelos do mundo sobre o sexo e as reações naturais do nosso próprio corpo não é tão simples assim. Até parece que Deus está exigindo algo que vai além de nossa capacidade; mas isso não é verdade. Ele não espera que lutemos sozinhas, mas que aprendamos a depender dEle em nossa fraqueza. A luta não é fácil e, em muitos casos, uma vitória não significa vitória definitiva. Porém, quando recorremos à força de Deus e estamos decididas a viver para agradá-lo, nós o glorificamos por meio da luta, ainda que aconteçam fracassos no meio do caminho. Portanto, não desista, não se entregue!

Agora, se você está mais preocupada com a sua virgindade do que em viver para a glória de Deus, isso é um sinal de “virgindade falsificada”. Deus não está mais preocupado em que Suas filhas se casem virgens do que em que elas se casem “puras”.

[1] Sara Maria Vieira
- por Flórence Franco

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

O chamado de Jeremias e nossa incapacidade


"Assim veio a mim a palavra do Senhor , dizendo: Antes que eu te formasse no ventre, eu te conheci; e, antes que saísses da madre, te santifiquei e às nações te dei por profeta. Então, disse eu: Ah! Senhor Jeová ! Eis que não sei falar; porque sou uma criança. Mas o Senhor me disse: Não digas: Eu sou uma criança; porque, aonde quer que eu te enviar, irás; e tudo quanto te mandar dirás. Não temas diante deles, porque eu sou contigo para te livrar, diz o Senhor . E estendeu o Senhor a mão, tocou-me na boca e disse-me o Senhor : Eis que ponho as minhas palavras na tua boca. Olha, ponho-te neste dia sobre as nações e sobre os reinos, para arrancares, e para derribares, e para destruíres, e para arruinares; e também para edificares e para plantares." Jeremias 1:4-10

O chamado de Jeremias ao ministério profético é um dos mais famosos textos do antigo testamento. No relato, vemos Deus convocando um jovem que reluta, tenta se esconder atrás de suas limitações e, por fim, cede. Ao perceber que seus argumentos haviam sido refutados de forma inquestionável por Deus, o profeta se viu diante do maior dilema de sua vida: olhar para minhas limitações e recuar ou confiar no Deus que me capacita e seguir em frente?

É um erro acreditar que Jeremias era um covarde sem causa. Seus motivos eram plausíveis: o mundo não vivia seus melhores dias. Egito, Assíria e Babilônia disputavam o poder a preço de sangue e, Israel --além de ser umas das nações disputadas por essas três potências militares -- vivia internamente um dos períodos mais negros de sua história; a idolatria que fora propagada por governantes que antecederam o ministério de Jeremias havia tomado conta da nação, e como se não bastasse o colapso mundial por conta das intermináveis guerras, o juízo de Deus era iminente sobre o povo idólatra.

Diante desse cenário,  é de se esperar que um jovem de 20 anos (essa era a idade de Jeremias quando foi chamado) procure as mais variadas desculpas para não ter de assumir uma responsabilidade tão grande. O que causa certa estranheza é que Jeremias não culpa as circunstâncias externas. Ele não usa as guerras ou a idolatria para tentar persuadir ao Senhor. O que ele faz é olhar para dentro de si mesmo e, após fazer uma auto-análise, declara: "Eis que não sei falar: porque sou uma criança.". Com tantos argumentos possíveis, Jeremias lançou  exatamente aquele que jamais devia ter usado, pois ele quis se valer da sua própria incapacidade sem considerar que estava diante d'aquele que capacita. Naturalmente,  o jovem profeta fracassou em seu intento de se esquivar do seu chamado. Saiu dali para ser um dos maiores profetas da história.

Atualmente, não é difícil encontrarmos jovens que, ao se depararem com um dilema semelhante ao de Jeremias, tendem a cometer o mesmo equívoco. O medo de errar faz com muitos passem a vida toda sem um único acerto. São cristãos que confiam em Deus para lhes dar um bom casamento, uma boa casa e uma saúde estável. Mas quando se trata de usarem as capacidades que esse mesmo Deus lhes concedeu, hesitam. O receio que se tem da reação do outro faz com deixem de confiar naquele que os capacitou.

É por essa razão, que cresce a cada dia o número de cristãos frustrados, principalmente na área profissional. Gastam tanto tempo olhando suas limitações que acabam por não perceberem os belos talentos que Deus lhes deu. É óbvio que devemos buscar corrigir nossas falhas, mas viver como se nossa realidade se limitasse a elas é um sinal de que precisamos reaprender o significado do que é a suficiência em Cristo. Quando estamos nEle, é Ele quem nos capacita. Sendo assim, por que duvidar? Use aquilo que Deus lhe deu da melhor maneira possível para que, através de você, o nome dele seja glorificado. Olhe menos para a criança que você julga ser. Você não é. Ele lhe deu talentos e responsabilidades. Use-os! Ele estará sempre disponível para te ajudar. Confie menos em você e mais nEle.

Encerro com as palavras do apóstolo Paulo:

"E é por Cristo que temos tal confiança em Deus; não que sejamos capazes, por nós, de pensar alguma coisa, como de nós mesmos; mas a nossa capacidade vem de Deus" (2Co 3.4-5).

- por Alcino Júnior
Fonte: Alcino Júnior

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Filhofobia - o novo medo do mundo!


“Você sabe o que causa isso?” “Nossa, vocês têm um bocado.” “Fecharam a fábrica, né?” “Vocês vão encher o planeta” “São todos seus?” “Você consegue bancar todos eles?”

Estas são apenas algumas das perguntas que você ouvirá de completos estranhos se você tiver mais filhos que a média nacional aprovada de 1,7. E isso não inclui aqueles olhares maldosos e risinhos na sua direção. Vocês já devem ter ouvido falar da postura corporal de homens que se sentam com as pernas abertas no transporte público ou gordofobia, considerados os últimos ultrajes na nossa cultura politicamente correta. Bem, hoje eu gostaria de adicionar um novo item a essa lista: filhofobia.

Parece espantoso que uma pessoa realmente queira ter mais de 2 filhos. Pressupõe-se que o terceiro certamente foi um acidente. Digo, é fato que filhos te deixam pobres, certo? Eles custam muito dinheiro, não custam? Além disso, eles são uma ameaça ao meio ambiente!! Basicamente, na mentalidade popular, filhos são o equivalente a uma doença sexualmente transmissível - e quem iria querer mais do que duas delas??

FILHOS SÃO O MÁXIMO

Esqueça o que a cultura diz. Filhos são o máximo. Não há nada que se compare a ter duas miniaturas de homens correndo até a porta gritando “Papai!” no momento em que eu entro em casa. Poucas coisas podem se comparar à felicidade de ter bracinhos em volta do meu pescoço, ou ouvi-los dizendo, “ Amo-te, papai”. Ou ver o seu garoto com o boné para trás imitando um jogador de beisebol. Ou lutando ferozmente com guerreiros de brinquedo.

É uma alegria poder ajudar aquele pequeno ser a descobrir o mundo - explorar, aprender, a maravilhar-se diante de quase tudo. É maravilhoso assisti-los exibindo um bigode de leite e dizer, “Eu tenho uma barba igual a sua!”. Tem também as leituras antes de dormir, frases engraçadíssimas ditas com toda seriedade do mundo, construções de torres imensas com tijolos, vê-los juntar as mãozinhas em oração [...]. Acreditem, eu poderia dar muitos outros exemplos.

A paternidade é assustadora às vezes, sim, mas na maior parte do tempo, é maravilhosamente feliz. Há momentos em que me sinto cheio de gratidão por tudo isso.

É claro que há momentos de estresse, e frustração, e sacrifício também. Os lençóis molhados; a teimosia em comer comida, ainda que esteja perfeitamente boa; as fraldas cheias; as birras; as idas ao pronto socorro; despesas inesperadas; gripe e infecções de ouvido; [...]. E eu não tenho dúvidas de que na medida em que eles crescerem, as dificuldades só vão aumentar. Não há amor sem dor. É assim que as coisas funcionam num mundo caído. E como pais mais experientes se apressariam em me lembrar, eu estou apenas começando.

FLECHAS NAS MÃOS DE UM GUERREIRO

Um dos Salmos que eu aprendi a amar é o 127. Ele dá grandes conselhos sobre como confiar a Deus os seus trabalhos e os bençãos que Ele te deu. Mas a minha parte favorita é o final, que diz que os filhos são um presente, não uma maldição: “Sim, os filhos são a herança de Iahweh, é um salário o fruto do ventre! Como flechas nas mãos de um guerreiro são os filhos da juventude. Feliz o homem que encheu sua aljava com elas…”

Sacou? Aquele que tem muitos filhos é feliz. Nós acabamos de descobrir que o bebê número três está a caminho, e acredite, é verdade - eu não poderia estar mais feliz. Mal posso esperar para receber essa nova vida. Homens, filhos não são coisas pelas quais você deve se desculpar ou se envergonhar. Eles são presentes preciosos com os quais nos regozijamos. Eles são tão lindos e elegantes quanto flechas nas mãos de um hábil e poderoso guerreiro. Só é necessário apontá-los para o Céu.

Concluindo, não deixe que o mundo roube a alegria da paternidade. Ignore os haters (nota minha: pessoas que postam conteúdo de ódio). Sim, você provavelmente teria uma casa maior ou um carro mais maneiro se não tivesse mais filhos. Mas quem se importa? Qual a vantagem de se ter uma casa vazia de risos e alegria? E um carro não retribuirá o amor que você deu a ele não importa o quanto seja legal dirigi-lo. Eu fico com uma casinha repleta de crianças e uma van enferrujada com vários assentos. Sério.

Homens, celebrem seus filhos. Tenham muitos deles. Amem, dediquem seu tempo e atenção a eles, rezem por eles, invistam - mas acima de tudo, valorizem seus filhos. Outras bênçãos passarão, mas os filhos são uma recompensa que durará para sempre.

- por Sam Guzman
Fonte: Seja Homem

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Um amigo de Jó veio me visitar


Quando estive internado por causa das recentes cirurgias pelas quais passei, recebi diversas visitas. Amigos, parentes, irmãos na fé, pastores — gente de perto e de longe — todos querendo me ver e deixar comigo alguma palavra de encorajamento e apoio. Como foi bom receber essas visitas! Às vezes eu estava me sentindo mal e não conseguia expressar todo o meu apreço por aquelas pessoas tão queridas. Elas, no entanto, entendiam a minha situação, mostravam-se indulgentes comigo, oravam por mim, teciam algumas frases de ânimo e fé e, então, iam embora, às vezes tentando conter o choro.

Eu louvo a Deus por todas aquelas pessoas e pelo modo como ministraram a graça de Deus em minha vida. Houve, porém, um visitante que se destacou por outro motivo. Imitando até certo ponto os amigos de Jó, ele foi me visitar com o objetivo muito claro de passar “lições de moral”; foi me ver com o alvo especial de fazer acusações veladas e sutis, dando a entender que Deus tinha me colocado naquela situação como uma espécie de castigo, para que eu revisse coisas erradas que havia em minha vida.

“É...” — ele dizia (e esse “é” era um “é” prolongado. Tipo “ééééé...”: um artifício pobre usado para conferir solenidade à fala) — “Tudo isso é bom pra gente avaliar a nossa vida e rever nossos valores... Às vezes Deus nos coloca numa cama de hospital pra gente refletir e ver o que temos que mudar...”. E, assim, esse meu amigo prosseguia em seus jargões de santarrão, repetindo-os a cada dez minutos e se aproveitando do meu estado de debilidade para sugerir o que bem entendesse, já que eu, fraco e cheio de dores, não tinha forças nem ânimo para replicar qualquer coisa. Ademais, as acusações eram veladas, indiretas e sutis, não dando margem para que eu me defendesse. É certo que, se eu estivesse bem, perguntaria: “Você tem algo mais específico em mente — algum pecado ou desvio que vê em minha vida e que acredita que eu deva corrigir?”. Contudo, minha debilidade só permitia que eu ficasse em silêncio. Eu não queria criar uma situação muito pesada. Tudo já era ruim demais.

Depois que tudo passou, pensei um pouco sobre o meu visitante especial e concluí que o problema principal do amigo de Jó talvez não sejam suas frases batidas, nem seu empenho em acusar direta ou indiretamente. Creio que um dos problemas maiores de um “amigo” assim é o prazer que ele demonstra no momento em que diz aquelas coisas. Segundo parece, ele vê na nossa doença uma prova imbatível de que a bronca que tem contra nós é justa, pois, segundo entende, o próprio Deus está nos punindo. Então, diante dessa prova cabal, ele se deleita, se sente “por cima” (afinal de contas, ele não está sendo punido. Logo, é alguém melhor!), repete seus jargões com um leve sorriso nos lábios e um brilho malicioso nos olhos, tenta falar com gravidade, fazendo o doente se sentir rebaixado à condição de um réu que ouve as correções de um sábio e grande juiz.

Todo esse modo de agir e sentir do amigo de Jó pode ter sua causa resumida em mais ou menos dez palavras: falta de conhecimento da verdade e falta de amor para com aquele que padece. A falta de conhecimento do amigo de Jó é no campo da teologia do sofrimento. Ele comete o erro de acreditar que a dor sempre decorre da punição de Deus! Ora, a Bíblia mostra que, de fato, Deus pune os seus filhos com doenças e até com a morte (1Co 11.27-32). Isso, porém, ele só faz às vezes. O amigo de Jó, contudo, acredita que a doença sempre tem como causa alguma iniquidade que cometemos, quando a própria história de Jó mostra que isso não é verdade.

Com efeito, Jó passou pelas maiores desgraças que um ser humano poderia enfrentar e, no entanto, não havia na terra homem mais justo do que ele (Jó 1.1,8). Ficar doente, portanto, pode sim ser resultado da disciplina de Deus, mas nem sempre é assim e, por isso, temos de ter cuidado para não julgar precipitadamente os outros como fazem os modernos amigos de Jó, sob pena de cairmos no desagrado de Deus (Jó 42.7-9).

Conforme eu disse acima, além da falta de conhecimento, o amigo de Jó também demonstra falta de amor por aquele que sofre. Note bem: quando alguém está doente, a Bíblia ensina que devemos nos aproximar dessa pessoa com compaixão, suprindo suas necessidades (At 20.35), orando por sua melhora (Tg 5.15) e promovendo de alguma forma o seu bem-estar (Tg 5.14). Decididamente, a enfermidade de um irmão não fornece o contexto para dançarmos vitoriosos sobre o quase cadáver dele; não nos autoriza a, satisfeitos e orgulhosos, saborear palavras do tipo “tá vendo?”. Tampouco nos concede o direito de aumentar o seu sofrimento lançando culpas (imaginárias ou não) em seu rosto.

Na verdade, se tivermos motivo para acreditar que o sofrimento do nosso irmão decorre de pecado e disciplina, o correto é esperar que tudo passe e, então, quando a dor se tornar somente uma lembrança, dizer a ele: “Irmão, eu testemunhei seu sofrimento e chorei ao vê-lo padecer tanto. Eu orei muito por sua melhora e agora que tudo passou eu me regozijo e suplico ao Senhor que confirme sua restauração. No entanto, como seu irmão na fé, com temor, tremor e humildade eu gostaria de lhe dizer que acredito que tudo que o irmão enfrentou talvez tenha como causa a mão de um Deus amoroso que disciplina seus filhos. Eu o conheço faz algum tempo e sei que o irmão nutre tal e tal pecado em sua vida. Eu não sou seu juiz, nem me julgo acima de você, mas, como irmão na fé, movido pelo amor e sob a autoridade da Palavra, eu gostaria de incentivar você a avaliar se tudo que ocorreu não foi uma forma que Deus usou para chamar a sua atenção para esse problema. Na verdade, não sei se foi essa a causa da sua dor, porém, como seu irmão, eu me senti no dever de dizer isso a você”.

A gente nunca consegue prever como as pessoas vão reagir a palavras como essas. Deus, no entanto, conhece os corações e sabe o que nos move nessas horas: se é o orgulho malicioso e julgador do amigo de Jó ou se é o amor fraterno, sincero e preocupado do discípulo de Jesus. Além disso, no fundo no fundo, aquele que é admoestado também perceberá se estamos sendo bondosos ou não e, sob a influência do Espírito Santo, será levado ao arrependimento.

O que deve ser evitado, porém, a todo custo, é tomar o caminho do amigo de Jó. Afinal de contas, amigos de Jó cedo ou tarde também adoecem. Cedo ou tarde também são visitados no hospital. Seria muito chato sermos um deles e, no dia do sofrimento, alguém (outro amigo de Jó) nos fazer tomar nosso próprio remédio.

- por Marcos Granconato
Fonte: Bereianos

Educar pressupõe desagradar a criança


Especialista em questões relacionadas à família e à escola, a psicóloga paulistana Rosely Sayão acredita que as crianças estão sendo educadas sob o peso da superproteção, o que as desconecta da realidade. O excesso de zelo também dificulta o desenvolvimento da resiliência, a capacidade de resistir às adversidades e empurra para mais tarde a conquista da maturidade.

Para Rosely, falta aos pais, preocupados em demasia com um futuro de sucesso para os filhos, um olhar focado no presente.

— A gente perde de vista o filho como ele é hoje. Quem é o meu filho? Do que ele gosta? Do que ele não gosta? Quais são os talentos dele? Quais são as impossibilidades? Algumas delas a gente pode superar? — pergunta-se a psicóloga, colunista da Folha de S.Paulo e da Band News FM.

Confira os principais trechos da entrevista.

Você aponta a superproteção dos filhos como um estilo dos pais hoje em dia, independentemente de classe social, econômica e cultural. Onde isso fica mais evidente?

Em todas as situações que envolvem essa neurose de segurança que a gente adquiriu: filho não sai sozinho, na esquina, na padaria, não usa transporte público. Há adolescentes que usam sem os pais saberem, mas não para ir para a escola. Para ir para a escola, ou tem perua, ou o pai leva e busca, e eles vão ficando um pouco distantes da realidade. Em casa, eles são muito poupados dos afazeres domésticos com que poderiam contribuir, sempre acham que tem alguém que faça. A gente não tem ensinado para os filhos que tudo tem um processo com começo, meio e fim. Por exemplo, ir a um aniversário. Tem o antes, que é pensar na pessoa, pensar no presente, sair para comprar o presente, pedir para os pais se pode ir, perguntar se os pais podem levar e buscar. Depois tem a festa, o desfrute, e depois da festa tem de ver quem vai buscar. Tudo fica com os pais e, para os filhos, é só ir à festa. Tomar banho é a mesma coisa: é só entrar debaixo do chuveiro. Não tem a organização da roupa e do banheiro, enxugar o banheiro. Nada disso, para os filhos, faz parte desse processo. Isso tudo é superproteção.

É comum os pais se colocarem contra a escola, atacando o professor ou o método de avaliação para defender os filhos.

Exato. Às vezes, os filhos reclamam de um colega e os pais vão tomar satisfação com os pais do outro colega. Briga entre crianças sempre vai acontecer, e elas são capazes de resolver. Quando não são, a escola tem de dar conta se elas estão lá. Mas os pais querem resolver tudo, metem-se na vida escolar dos filhos muito intensamente. A escola deveria ser a primeira batalha que a criança aprende a enfrentar por conta própria. Os pais estão com a ideia de que ir bem na escola, passar de ano, ser exitoso é um índice de que eles são bons pais. Eles fazem tudo para que isso aconteça. Os filhos vão aprendendo que “se tem problema, meus pais resolvem”.

A imaturidade é a principal consequência da infância e da adolescência poupadas de percalços?

A maturidade vai ficando mais tardia. Hoje, muitas empresas reclamam demais da falta de compromisso dos seus funcionários mais jovens, uma geração que já foi criada assim. Se o chefe dá uma bronca, o funcionário já quer sair do emprego. Os pais, resolvendo tudo, não colaboram para que o filho construa a resiliência, que é a capacidade de resistir às adversidades, de cair e levantar, de tropeçar, machucar o joelho, fazer o curativo e seguir em frente. O mundo das crianças pequenas é absolutamente irreal. As escolas privadas são obrigadas a limpar a areia semanalmente, os móveis não têm cantos, é tudo arredondado. As crianças não podem vir da escola machucadas que os pais reclamam. Esses pequenos incidentes fazem parte da adaptação ao mundo. É contraditório: a gente diz que os pais não dão limites, mas as crianças estão limitadas em demasia. Não pode isso, não pode aquilo, não pode aquele outro. E como é realidade da vida que dá os limites, aí, elas não reconhecem esses limites.

Qual é a maior angústia dos pais atualmente?

O sucesso dos filhos a qualquer custo, o que tem custado uma formação deficitária. O sucesso futuro retira um pouco o presente da vista dos pais. A criança e o adolescente estão no presente, não é pensar só no futuro. A gente deveria substituir aquela famosa e malfadada pergunta “o que você vai ser quando crescer?” por “o que você quer ser antes de crescer?”, para eles terem a ideia de que são alguma coisa agora.

Outro lado que o sucesso no futuro tem provocado é a formação dos valores, da moral, da ética, dos princípios. Está todo mundo focado em “meu filho tem de ter um bom emprego, ganhar bem, ter conforto”, mas, se ele não for uma pessoa de bem, vale a pena? Essa é a pergunta que a gente tem de se fazer.

Uma pesquisa recente afirma que os pais andam muito distraídos com seus smartphones, não prestando atenção na conversa com os filhos, além de ser comum a troca de mensagens de texto entre pessoas que estão na mesma casa. Você acha que a tecnologia está afetando muito as relações?

Muito. Há um percentual muito grande de crianças e jovens no mundo que dizem que os pais dão mais atenção ao celular do que a eles. Esse índice explodiu no Brasil.

A gente vive dizendo que os jovens só querem saber de celular, mas somos nós que estamos deixando eles de lado em nome dessas conversas por mensagem instantânea e do trabalho que não termina nunca. Quem tem filho precisa se comprometer e honrar o seu compromisso. A gente não educa apenas para que ele tenha um bom futuro. A gente educa para que ele construa um bom futuro também.

Há pouco você escreveu que “nossa sociedade adulta, infantilizada, adora brincar de faz de conta: fazemos de conta que cuidamos muito bem de nossas crianças”. As crianças deixaram de ser prioridade na vida dos pais?

A gente fez algumas transformações no que significa ser prioridade, por conta de o mundo adulto estar infantilizado. Hoje todo mundo é jovem, independentemente da idade. O jovem tem um compromisso muito grande consigo mesmo, sobra muito pouco tempo para olhar para os outros. Os pais acham que os filhos são prioridade porque trabalham para dar do bom e do melhor e vivem declarando amor a eles, verbalmente. Mas a paciência, a perseverança, isso anda mais escasso.

Além dessa obsessão pela juventude, que outros valores sociais estão moldando as famílias?

O consumo, muitas vezes, determina a posição familiar. “Quero isso”, “vou dar isso para o meu filho fazer parte do grupo e não ficar excluído”. A criança fica desacreditada de si porque precisa ter isso ou fazer aquilo para se inserir, e não ser alguma coisa, pensar alguma coisa, ter posições. Isso atrapalha muito a autoimagem que a criança constrói. Tem também a busca desenfreada da felicidade. Ninguém é capaz de dar felicidade para alguém. A gente é capaz de preparar o filho para que ele consiga buscar a própria felicidade, identificar situações que possam lhe dar momentos de felicidade. Educar pressupõe sempre desagradar à criança. Aí, a gente acha que a criança está infeliz, não desagrada e não educa.

É excessiva a procura por psicólogos, psicopedagogos, neurologistas? Os pais estão com dificuldade de entender os filhos? A solução para eventuais dificuldades e problemas é muito “terceirizada”?

Às vezes não há nada de errado. É preciso lembrar do que os estudiosos têm chamado de medicalização da vida. Olhamos a vida pela lógica médica, e a lógica médica tem a saúde e a doença, o normal e o anormal. Se não está dentro do que se considera normal, procura-se um diagnóstico para poder tratar e transformar em normal. Muitas crianças e muitos jovens têm recebido diagnósticos desnecessariamente, equivocadamente. São poucos os profissionais da saúde, de modo geral, que também conseguem resistir a essa ideologia.

Segundo o IBGE, o número de divórcios no país cresceu mais de 160% na última década. Como essa mudança de comportamento está impactando na criação dos filhos?

Os rompimentos não acontecem só no plano amoroso, do casamento, mas também no da amizade. Bauman, sociólogo polonês, chamou isso de tempos líquidos, tudo é líquido, tudo se dissolve. Mas as crianças nasceram nesse mundo líquido. Acho que afeta menos as crianças se os pais puderem lembrar que o casamento foi rompido, mas a paternidade e a maternidade não. Isso os unirá até que a morte os separe. Tem sido ainda difícil para os adultos deixar de lado as mágoas que sempre ficam depois de um rompimento, para exercer a paternidade e a maternidade de modo mais civilizado. Há muitas brigas, inclusive na Justiça, “é meu dia”, “não é meu dia”. Nem mesmo a guarda compartilhada resolve muito porque é uma questão pessoal, de rixa, em que o filho parece que se transforma em uma moeda de troca. Acho que isso afeta (o filho), não a separação em si.

Como a internet está influenciando a formação das crianças?

Vou ligar essa questão à primeira, sobre a superproteção. É surpreendente que os pais superprotejam os filhos, a ponto de não deixar ir na esquina comprar um pão, e os deixem sozinhos na internet muito precocemente. Eles esquecem que a internet é uma rua, uma avenida, uma praça pública. Talvez a criança e o jovem fiquem tão focados nisso que deem menos trabalho aos pais. A gente vai a restaurante e vê um monte de criança com celular ou tablet. A internet móvel é um “cala a boca”, “fica quieto”. Aí é que a criança aprenderia a socialização, como se comportar em locais diferentes com pessoas diferentes. Aí estaria o empenho da família na formação dos filhos. Nas crianças e nos jovens, a internet sem tutela provoca aquela ideia do descompromisso: “Posso fazer e falar o que eu quiser que não tem consequência”. Mas não é a internet em si a responsável por isso. Ela não é o único elemento a dar essa ideia para os mais novos, é só mais um.

- por Rosely Sayão

Compartilhe

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

pop-up LIKE

Plugin