"Eu me confesso ser do número daqueles que, aprendendo, escrevem; e escrevendo aprendem" - Agostinho

Se inscreva no meu canal do YouTube!

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Esposa, você vem concedendo a devida benevolência ao seu marido?


O marido pague à mulher a devida benevolência, e da mesma sorte a mulher ao marido. A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no o marido; e também da mesma maneira o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no a mulher. Não vos priveis um ao outro, senão por consentimento mútuo por algum tempo, para vos aplicardes ao jejum e à oração; e depois ajuntai-vos outra vez, para que Satanás não vos tente pela vossa incontinência. Digo, porém, isto como que por permissão e não por mandamento” (1 Coríntios 7:3-6).

Primeiramente, é importante mencionar que a pergunta feita neste artigo poderia destinar-se aos esposos cristãos, até porque alguns deles podem apresentar problemas neste sentido, porém, como creio que a dificuldade em praticar esta ordenança seja mais comum para nós mulheres, resolvi destinar a pergunta nesta direção.

Muitos homens ao lerem “Seja bendito o teu manancial, e alegra-te com a mulher da tua mocidade. Como cerva amorosa, e gazela graciosa, os seus seios te saciem todo o tempo; e pelo seu amor sejas atraído perpetuamente” (Provérbios 5:18-19), talvez pensem: "Ah, como eu gostaria que fosse assim!" De um modo geral, os versículos citados, não parecem trazer grandes desafios para os homens, afinal, eles têm uma disposição mais intensa para tais coisas; já para nós mulheres, normalmente mais emotivas do que eles, muitas vezes tais versículos são bastante desafiadores. O cansaço devido a agitação do dia, as dificuldades com os filhos pequenos, a tristeza ou o mau humor, o fato de não sentir-se bonita/atraente ,podem levar-nos a negar ao marido o que lhe é devido e preferirmos esquecer que, conforme diz a Escritura, o nosso corpo pertence ao cônjuge.

Mas, por qual razão Paulo deixa tal advertência em 1 Coríntios 7:5, “(...) para que Satanás não vos tente pela vossa incontinência”? Porque ele sabe que “Porque a carne cobiça contra o Espírito, e o Espírito contra a carne; e estes opõem-se um ao outro, para que não façais o que quereis” (Gálatas 5:17); por saber que o adultério e a impureza são frutos da carne (Gálatas 5:19), com os quais o cristão ainda luta - “(...) porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar” (1 Pedro 5:8). 

Mulher, se você não concede sexo ao seu esposo, você está deixando-o desprotegido e as lutas travadas no coração dele serão mais árduas sem a sua ajuda. Ao observar com mais atenção os versículos citados, chegamos a conclusão de que Paulo afirma, em outras palavras, “pratiquem bastante sexo”.

A escritora Martha Peace tem um capítulo destinado apenas a este assunto em seu livro Esposa Excelente (Ed. Fiel), e ela afirma: “(...) Contudo, uma vez que os desejos do homem tendem a ser mais fortes, pode ser difícil para os homens pensarem em outra coisa que não seja sexo, quando experimentam anseio físico. Sendo assim, Deus instruiu a esposa a suprir as necessidades físicas de seu marido. A esposa também experimenta anseio físico. Por isso, Deus instruiu o marido a satisfazer as necessidades físicas de sua esposa. De outo modo, o marido e a esposa podem ser tentados a nutrir pensamentos e ações imorais. De fato, o marido deve ser tão satisfeito, que, embora outra mulher o seduza, ele não será tentado. (…)” (p.137). Ela ainda comenta: “Se uma esposa pensa: 'Como posso dar prazer ao meu marido?', ela está demonstrando amor. Ao dar prazer ao marido, a esposa possivelmente começará a experimentar mais prazer do que imaginava. (...)” (p.141).

O problema (o pecado de negar a prática do sexo) pode persistir e gerar dificuldades ainda maiores, pois mais e mais pecados serão cometidos tanto por parte da esposa como do marido; a desunião entre o casal se intensificará, o marido poderá vir a acessar sites indevidos, a esposa já não admirará tanto o marido e perderá a confiança nele e, em alguns casos, pode ocorrer o adultério, normalmente por parte do esposo. 

Lembro-me, aqui, de uma história relatada por Dave Harvey em seu livro Quando pecadores dizem sim, em que um casal cristão, ambos orgulhosos, travavam uma disputa entre si e tal desunião resultou em um adultério por parte do homem. Graças a Deus, este casal reconciliou-se, perdoando-se mutuamente e renovando seu compromisso para com Cristo. Mas o que chamou grandemente minha atenção nesta história, foi o fato da esposa deste homem admitir sua parcela de responsabilidade neste adultério. Quando o esposo cai em tentações na área sexual, tendo uma mulher que não lhe cuida devidamente, sem, aqui, querer diminuir a responsabilidade/pecado do homem, a esposa tem uma parcela de culpa nesta situação. 

É verdade, também, que há momentos difíceis na vida do homem e da mulher, em que não há "clima" algum para a prática do sexo, devido a traumas emocionais intensos (como a morte de alguém querido, por exemplo), uma depressão grave, uma doença física, entre outros. Estes momentos devem ser discernidos pelo marido ou esposa, que tem o dever de serem compreensíveis com seu cônjuge, demonstrando apoio e carinho. Porém, que voltem assim que possível a praticar o que lhes é de direito/dever.

Por fim, talvez você esteja passando por isso no seu casamento e fica, então, a pergunta: por qual razão isto vem acontecendo, isto é, por que você não tem sentido vontade de praticar sexo? Para ajudar neste quesito, busque realizar alguma atividade física, como caminhadas frequentes, por exemplo. Se a dificuldade persistir, talvez seja necessário que o esposo e a esposa procurem a ajuda de um médico de confiança ou mesmo aprendam a forma de fazer o outro feliz nestas ocasiões íntimas.

Sabemos que este é um assunto sério e não podemos nos esquecer que quando o descumprimos, estamos não apenas pecando contra o cônjuge, mas contra Deus, primeiramente. Por isso é necessário confessar este pecado e pedir perdão ao Senhor, bem como rogar por ajuda para cumprir esta ordenança. Orar diariamente a Deus, ler/meditar nas Escrituras são atitudes fundamentais. Pedir perdão ao esposo, bem como perdoá-lo por suas falhas, pedir a ajuda dele, incentivá-lo a afirmar diariamente que a ama, que a acha bela e atraente e trazer algum presente de vez em quando, igualmente são atitudes muito importantes e que podem lhe ajudar!

Que Deus nos ajude e fale ao nosso coração acerca desta  doutrina desafiadora para nós, mulheres!

- por Angela E. P. Machado (esposa do autor deste blog)

terça-feira, 22 de julho de 2014

O exercício físico é de pouco proveito?


"Porque o exercício corporal para pouco aproveita, mas a piedade para tudo é proveitosa, tendo a promessa da vida presente e da que há de vir" (1Tm 4.8).

O versículo acima tem confundido muitos cristãos sinceros, os quais, em uma primeira leitura, entendem que o apóstolo está contrastando o exercício físico (nadar, pedalar, correr...) com a busca pela piedade, como se ele estivesse dizendo que o crente devesse praticar o mínimo possível, afinal, "o exercício corporal para pouco aproveita". Todavia, a verdade é diferente do que este primeiro entendimento gerado pela conjunção adversativa "mas", que exprime a ideia de Paulo estar opondo o exercício à piedade. 

Tudo se resolve quando lemos os primeiros versículos do capítulo 4 da presente carta:

"Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios; Pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência; Proibindo o casamento, e ordenando a abstinência dos alimentos que Deus criou para os fiéis, e para os que conhecem a verdade, a fim de usarem deles com ações de graças; Porque toda a criatura de Deus é boa, e não há nada que rejeitar, sendo recebido com ações de graças. Porque pela palavra de Deus e pela oração é santificada. Propondo estas coisas aos irmãos, serás bom ministro de Jesus Cristo, criado com as palavras da fé e da boa doutrina que tens seguido. Mas rejeita as fábulas profanas e de velhas, e exercita-te a ti mesmo em piedade" (1Tm 4.1-7).

Observemos que o apóstolo, em verdade, está lidando com aqueles que se apostariam da fé, falariam mentiras e chegariam a proibir "o casamento, e ordenando a abstinência dos alimentos que Deus criou para os fiéis". Daí, então, Paulo continuar dizendo que "toda a criatura de Deus é boa, e não há nada que rejeitar, sendo recebido com ações de graças", de modo que não haveria necessidade de se deixar de comer determinados alimentos, "Porque pela palavra de Deus e pela oração é santificada" - não existindo qualquer comida proibida aos cristãos.

Após isso, o apóstolo prescreve que Timóteo deveria rejeitar "as fábulas profanas e de velhas, e exercita-te a ti mesmo em piedade" e, finalmente, com um motivo: "Porque o exercício corporal para pouco aproveita". Mas de qual exercício o apóstolo está falando? A resposta é clara: do exercício corporal de se abster do casamento e abstinência de alimentos. Este entendimento fica muito claro quando vamos ao texto original (em grego) e lá percebemos que a palavra usada para exercício, já transliterada, é "gumnasiva" e significa "o exercício do corpo na arena ou escola de atletas; qualquer exercício; o exercício de conscientização do corpo com respeito à característica dos ascetas e que consiste na abstinência do matrimônio e certos tipos de comida" [1].

Aqui, o que a Escritura nos ensina, longe de ser uma repreensão ao exercício físico, pois, noutro lugar disse ele, se valendo da analogia do mesmo, "Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis" (1Co 9.24), é que devemos receber todas as coisas com ações de graça, inclusive o casamento e todos os alimentos, nada adiantando sofrermos no corpo (abstenção sexual e de certos de comida), porque isso pouco proveito terá à piedade (entendimento com prática cristã).

Desta forma, pratique exercícios, se case (caso seja chamado para isso) e coma tudo o que o Senhor lhe der, fazendo todas as coisas para a Sua glória (1Co 10.31).

Nota: 
[1] - http://www.biblestudytools.com/lexicons/greek/kjv/gumnasia.html

sexta-feira, 11 de julho de 2014

Se o Domingo é o "dia do Senhor" (Ap 1.10), como entender Romanos 14?


Ora, ao que é fraco na fé, acolhei-o, mas não para condenar-lhe os escrúpulos. Um crê que de tudo se pode comer, e outro, que é fraco, come só legumes. Quem come não despreze a quem não come; e quem não come não julgue a quem come; pois Deus o acolheu. Quem és tu, que julgas o servo alheio? Para seu próprio senhor ele está em pé ou cai; mas estará firme, porque poderoso é o Senhor para o firmar. Um faz diferença entre dia e dia, mas outro julga iguais todos os dias. Cada um esteja inteiramente convicto em sua própria mente. Aquele que faz caso do dia, para o Senhor o faz. E quem come, para o Senhor come, porque dá graças a Deus; e quem não come, para o Senhor não come, e dá graças a Deus”. (Romanos 14:1-6)

Aqui Paulo tratou de problemas de relacionamento na Igreja entre os “fracos” e os “fortes”. Os “fracos” eram os que tinham problemas para entender corretamente determinadas áreas da vida cristã e os “fortes” eram os que tinham maturidade suficiente para entender. Dentro disso, Paulo cita duas polêmicas. É muito importante entender exatamente o que estava sendo discutido, pois o que Paulo diz pode ser facilmente tirado do contexto, o que pode nos levar a conclusões e aplicações erradas.

A primeira questão que estava sendo debatida era que o forte “crê que de tudo se pode comer, e outro, que é fraco, come só legumes”. (Rom 14:2) Essas palavras precisam ser lidas no contexto do debate que havia na Igreja do primeiro século. O lado que dizia que “tudo se pode comer” não estava defendendo que poderíamos cair no pecado da glutonaria (Lc 21:34) de consciência limpa e também não estava defendendo que não há problemas em alimentarmos nossos filhos com fezes em vez de pão. As palavras, “tudo se pode comer”, devem ser entendidas no contexto daquele debate específico que era sobre a liberdade de comer carne que havia sido anteriormente consagrada a falsos deuses antes de ser vendida no mercado, como I Coríntios 8-10 deixa claro.

É por isso que os “fracos” comiam “só legumes” (Rm 14:2). Eles acreditavam que se um animal houvesse sido consagrado a um ídolo antes de ser vendido no mercado, a carne ficava contaminada e, portanto, era pecado comê-la. Como no Império Romano, a maioria dos vendedores eram pagãos, o risco da carne estar “contaminada” era alto. Os “fortes”, por outro lado, entendiam que “do Senhor é a terra e a sua plenitude” (I Co 10:26; Sl 24:1) e por isso defendiam o seguinte princípio: “comei de tudo o que se puser diante de vós” (I Co 10:27). Um caso parecido hoje seriam cristãos que se recusam a tomar Coca-Cola ou usar determinadas marcas por acreditarem que foram consagradas a demônios antes de chegar nas lojas. Sendo assim, quando lemos que havia um lado do debate que dizia que “tudo se pode comer”, não devemos entender que se trate de uma defesa da glutonaria ou de comer fezes como sinal de força espiritual e nem que um vegetariano seja necessariamente fraco espiritualmente. As palavras precisam ser lidas no contexto do debate original.

O mesmo, aliás, deve ser dito sobre as palavras de Paulo aos Colossenses: “Ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber” (Cl 2:16). Se isso é verdade, então por que ele mandou aos Coríntios: “Não vos associeis com aquele que, dizendo-se irmão, for... beberrão” (I Co 5:11), pois “os bêbados... [não] herdarão o reino de Deus” (I Co 6:10)? Isso não é julgá-los “pelo beber” como ele manda os Colossenses não fazer? Isso mostra a necessidade de ler o que ele diz no contexto do debate original. O que estava sendo debatido não era se alguém podia ser beberrão ou não. O que estava sendo debatido eram leis cerimoniais do Antigo Testamento.

Da mesma forma, quando ele explica que o fraco “faz diferença entre dia e dia” e o forte “julga iguais todos os dias” (Rom 14:5), devemos entender as palavras de Paulo no contexto do debate que havia. O que estava sendo debatido era a necessidade de guardar os dias santos do Antigo Testamento, listados em Levítico 23. Os “fortes” eram os que entendiam que a necessidade de guardar esses dias havia sido ab-rogada. Os “fracos” tinham acabado de sair do Judaísmo e por isso ainda não haviam sido suficientemente instruídos para saber que os dias santos do Antigo Testamento eram dias comuns. Eram estes dias que os fracos diferenciavam dos demais e que os fortes igualavam aos demais.

Isso significa que quando João falou do "dia do Senhor", ele não poderia estar falando dos dias santos do Antigo Testamento. Colossenses 2 e Romanos 14 mostram que havia sido cancelada a obrigação de guardar os dias dias santos do Antigo Testamento, listados em Levítico 23. Isso significa que o dia do Senhor era um novo dia instituído na era do Novo Testamento. Colossenses 2 e Romanos 14 falam somente da ab-rogação dos dias de festa do Antigo Testamento, mas em nenhum momento negam a existência de um dia santo do Novo Testamento. Se negassem, estariam em contradição com João, pois o Apocalipse diz que ainda há um "dia do Senhor". E se este dia não eram nenhum dos dias santos do Antigo Testamento, só resta uma alternativa quando analisamos o Novo Testamento - o primeiro dia de cada semana é o Dia do Senhor.

- por Frank Brito

domingo, 6 de julho de 2014

5 Coisas que todo homem casado deveria fazer quando em companhia de mulheres solteiras


Certa vez, um sábio homem me aconselhou que, quando eu estiver reunido com mulheres solteiras,especialmente atraentes ou interessantes, devo mencionar minha esposa e minha família logo no início da conversa. Percebi que esse conselho foi útil em muitas ocasiões. 

Caros maridos companheiros, aprendi o conselho acima, como também outras dicas abaixo listadas, essenciais para manter o meu casamento saudável e forte. Quero que meu casamento seja forte e saudável e você também! Na verdade, é uma das maiores responsabilidades no seu casamento. 

Então, vamos nos aprofundar neste assunto. Em quais situações você se encaixa? Para muitos, isto poderia facilmente acontecer no trabalho. Você poderia estar iniciando em um novo emprego e encontrar-se cercado de mulheres jovens e agradáveis. Se for esse o caso, você precisa escolher entre atrair a atenção delas ou impor-se de forma amigável, mencionando sua bela esposa e família. 

Outros podem estar trabalhando com as mesmas mulheres há mais tempo. Você pode ter optado por envolver-se em flertes ou sair com os colegas de trabalho após o expediente. Se este for o seu caso e sua esposa estiver em casa esperando por você, então é hora de voltar atrás e reavaliar a sua posição como o marido e líder, tomar as medidas necessárias para tornar a sua relação com sua esposa a mais importante e não se esquecer disso. Liderança, senhores, liderança! 

Mesmo que tenham sido apenas alguns rápidos exemplos, sei que alguns precisam intensificar o seu papel de marido. Estes exemplos não se aplicam a você? Então, pense em suas amizades na academia, no supermercado, na padaria, na internet ou em qualquer outro lugar.  Estes "simples" locais poderiam produzir relacionamentos difíceis que podem prejudicar tanto o seu relacionamento quanto o seu amor pela sua esposa. Tome coragem e faça o que precisa ser feito para o seu casamento! 

Agora que tenho sua atenção, aqui estão cinco coisas que todo homem casado deve fazer ao encontrar-se em companhia de mulheres solteiras:

1. Mantenha sua aliança no dedo. Há muito poucas exceções quando o anel precisa ser tirado, como ao operar máquinas pesadas, nadar em águas infestadas de tubarões e afins. Se você está prestes a entrar alguma situação que o faça olhar para o seu anel e considerar se você precisa dele no ou não, saia! Corra! Afaste-se! Sério, saia dessa situação; seus votos, casamento, filhos e muito mais dependem dessas decisões importantes. (Leia Lucas 16:10.)

2. Tenha fotos da sua esposa no trabalho. Um homem casado, nessa situação, seria sábio ao escolher um par de grandes e divertidas fotos dele e da sua esposa e mantê-las exibidas em seu escritório ou local de trabalho. Escolha uma situação que tenha sido divertida por dois motivos: você se lembrará porque gosta tanto dela, e será um ótimo assunto para conversa quando em companhia de outras pessoas, especialmente mulheres. Atualize a foto quando necessário, para que as pessoas ao seu redor vejam o crescimento no seu relacionamento. Separe esta foto ainda essa semana e apague o fogo. (Leia o Salmo 119:37.)

3.Mantenha contato simples e breve. Não leia isso da forma errada; não estou dizendo para ser rude. Estou falando para ser cuidadoso para onde viajam seus olhos e por quanto tempo eles viajam quando você está perto de uma mulher atraente. Você sabe que, ao se deter no primeiro olhar, você estará assinando na linha pontilhada para maiores problemas. Mantenha o olhar breve, mantenha-o decisivo e siga em frente. Olhe novamente para a foto em sua mesa. Faça isso! (Leia Mateus 5.28)

4. Mantenha a conversa geral e profissional. Se você trabalha com mulheres solteiras, não há dúvida de que a conversa vai acontecer. Cabe a você como falar com elas. Você pode optar por manter os diálogos curtos e generalizados, pode optar por mantê-los profissionais, ou você pode permitir que a conversa tome rumos que não deveria. Seja educado, mas muito intencional em suas conversas. Se necessário, mais uma vez, esteja sempre pronto para falar sobre a sua esposa ou sua família. Puxe o pino do extintor, mire e extinga a chama. Segurança em primeiro lugar. (Leia Romanos 6:13.)

5. Fale sobre a sua esposa e faça isso com frequência. Já mencionei sobre a importância de falar sobre a sua esposa em suas conversas? Acho que sim, mas esse último tópico solidifica essa idéia.  As mulheres solteiras com quem você lida diariamente, não devem ser páreo para a sua esposa e para a sua família. Sua família deve ser a sua primeira prioridade onde quer que você esteja e com qualquer pessoa que se encontre diariamente. Sim, cada dia e todo dia. Seja breve, seja simples e mencione sua linda esposa. Agora dê um tapinha nas suas costas e ânimo. (Leia Efésios 5.25-33)

Nota Importante: Não importa o que você tenha feito em seus relacionamentos atuais com mulheres solteiras, esses passos podem e devem ser iniciados a qualquer momento. Os sentimentos da sua esposa são e sempre serão mais importantes do que os da mulher com quem você precisa dar início a esses passos. Seja firme.

Eu o desafio a dar esses passos de forma confiante, por você, pelo seu casamento e pela sua família. Novamente, é sua a responsabilidade de liderar!

- por Bryan Van Slyke

Compartilhe

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

pop-up LIKE

Plugin